“A química vai muito da generosidade em cena”, diz Gabriel Leone sobre contracenar com a namorada Carla Salle em Onde Nascem os Fortes

Publicado há 3 anos
Por André Romano
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Gabriel Leone integra o elenco de Onde Nascem os Fortes, supersérie da Globo que tem a direção de José Luiz Villamarin interpretando Hermano, filho adotivo do casal Rosinete (Debora Bloch) e Pedro (Alexandre Nero). Apaixonado por Maria, vivida por Alice Wegmann, o rapaz fica dividido entre o pai, acusado de ter assassinado Nonato (Marco Pigossi), o irmão da amada, e ela, que deseja provar a todo custo a culpa do sogro.

Com trabalhos expressivos na TV Globo como Verdades Secretas, Velho Chico, o ator ganhou destaque ao participar da série Os Dias Eram Assim, onde interpretava o músico Gustavo. Na atual produção da Globo, seu personagem vive uma nova fase no amor conforme ele contou em entrevista ao Observatório da Televisão. Ao se distanciar de Maria, Hermano conhece Valquíria, interpretada por Carla Salle e passa a fazer parte de um quadrado amoroso. Confira:

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Leia também: “Tem sido uma proeza”, diz Felipe Malta sobre sucesso do Jornal de Sábado no SBT Brasília

Repercussão do personagem

“Eu estou muito feliz com a repercussão do trabalho como um todo. Tanto da critica especializada tanto do público em geral. Estou feliz que as pessoas estão gostando e ainda tem muita coisa para acontecer. A gente já gravou praticamente tudo. A gente sabe para onde a história vai. E acredito que todo mundo vai se surpreender mais ainda.”

Um quadrado amoroso

“A gente construiu o amor do Hermano e da Maria, só que eu tinha falado com vocês no passado, esse amor se mostra como impossível devido à morte do Nonato, que ela relaciona com o pai do Hermano. Acaba gerando um conflito entre eles. Eles se gostam. Mas é difícil eles ficarem juntos nesse momento. Nesse momento surge o Simplício (Lee Taylor) na vida dela, que é um cara que vai ajuda-la. E a Valquíria (Carla Salle) surge na vida do Hermano. No momento que eles se distanciam, que eles se desconectam um pouco, vão surgir outras possibilidades de relacionamento para os dois. Tanto para o Hermano, tanto para a Maria (Alice Wegmann). É logico que isso tudo vai se misturar. É isso!”

Maria ( Alice Wegmann ) se preocupa ao não encontrar o irmão; Hermano ( Gabriel Leone ) tenta tranquilizá-la

Hermano e Maria

“Então, a relação dele com a Maria é muito intensa, e muito rápida ao mesmo tempo. Se a gente for pensar em termos de capítulo, eles se separam a primeira vez, na primeira semana, na sexta-feira da primeira semana.. É tudo muito intenso, é uma paixão fulminante. E ao mesmo tempo essa paixão é rompida. Então, fica ali, um desejo, uma vontade deles quererem se encontrar. Mas a vida segue, né? A vida anda e a história começa a seguir. Falando do Hermano e da Valquíria, as coisas vão acontecer de uma forma natural. Ela entra na história para trabalhar na fábrica. Para trabalhar com ele, né? No momento que está no ar, ele ainda está conhecendo a Valquíria. E essa relação deles vai se desenvolver aos poucos. Ela passa ser uma possibilidade de felicidade para ele. Isso vai se desenvolver. Ele vai ser sequestrado pela Maria. Vai ser uma grande confusão. Tanto para ela, quanto para ele. Na cabeça dela, o pai dele matou o irmão dela. E, ai? No fim do relacionamento deles, o Hermano fala: ‘Eu não sou a mesma pessoa que meu pai’. Mas para ela é difícil separar essas coisas. Enfim..”

Relação anterior de Valquíria

“Isso não é uma questão. O enfoque não é a questão que ela tenha namorado uma menina. O enfoque é o que isso proporcional para ela e quais consequências isso teve para ela. Independente que tenha isso com uma menina. É um relacionamento, então, o enfoque das cenas da Valquíria com o Hermano são sempre o que aconteceu com ela a partir daquilo ali. E não o fato dela estar namorando uma menina. Entendeu?”

Uma carreira em ascensão

“Eu estou muito feliz com o momento que eu estou vivendo. Isso tudo é o reflexo de uma construção. Que não vem só da ‘Malhação’, que vem dos anos que eu passei no teatro, enfim, trabalhando. E, antes da ‘Malhação’, as quantidades de testes, e de ‘nãos’ que eu tomei, que continuo tomando. Seja por todos os lugares que passo. Porque é normal, acontece com todo mundo. É de se aproveitar as oportunidades, sabe? Ao mesmo tempo que eu sou muito grato as todas oportunidades que eu tive, sabe? Eu procurei aproveita-las ao máximo. Para justamente seguir caminhando. Eu estou muito feliz, e sou muito agradecido por tudo que tem acontecido.”

Hermano ( Gabriel Leone )

A glória e seu cortejo de horrores…

“Você falou de uma frase da Fernanda Montenegro, que é o título do livro da filha, Fernanda Torres, tinha uma coisa que o Fernando Carvalho falava pra gente em ‘Velho Chico’, que é a forma que eu penso: ‘Se você acreditar no 10; você tem que acreditar no 0’. Estou falando isso como uma metáfora pra tudo. É logico que é bom a gente ser criticado, fico feliz que o trabalho tenha uma repercussão bacana, não só o meu, mas o da equipe toda. Mas não me deslumbro nem um pouco com isso. Fico feliz.. Mas entendo que faz parte de um processo, de um trabalho. E que não é sempre que vamos acertar, então, é assim que eu penso.”

Contracenando com a namorada…

“Nesse projeto, a gente tem gravado muito. Cenas intensas e tudo mais. É inevitável que a gente fale sobre isso, comente sobre isso fora dos estúdios Globo. A gente respeita muito o espaço do outro; e a gente tem uma parceria artística muito bacana. A gente se entende. A gente tem ideias muito parecidas. A gente está tirando proveito do fato de sermos namorados, não no sentido de dizermos que já temos um amor construído. Já que a relação dos personagens, não tem nada a ver com a nossa relação. A gente está tirando proveito de a gente estar mais junto com mais frequência que eu estou com outros atores, e a gente tem essa oportunidade de pensar, conversar, de construir junto, entendeu? Essa coisa da química na verdade, acho que não tem a ver com isso. Eu e a Alice não namoramos, e a coisa imprimiu bem no ar. Da mesma forma meus outros pares, eu não namorava, e imprimiu bem no ar. A química vai muito da generosidade em cena. Claro que eu tenho química com a Carla na vida, mas em cena a gente poderia não se entender, não se bicar, e tal.”

Valquiria ( Carla Salle ) e Hermano ( Gabriel Leone ) se beijam pela primeira vez. (Divulgação/ TV Globo)

Novos projetos pós-série

“Vou gravar o filme ‘Eduardo e Mônica’, um dos maiores clássicos da Legião Urbana. Sempre fui muito fã do Renato Russo e da banda. Não tive a oportunidade de vê-lo, infelizmente. Na verdade, eu fiz teste para esse filme, quando eu estava fazendo ‘Verdades Secretas’ (2015). Tem muito tempo, e cinema é assim mesmo. Estou mais maduro. É bacana por um lado, ao mesmo tempo, o personagem tem 16 anos, na verdade é uma responsabilidade, e uma composição cada vez maior que eu vou ter que fazer de acessar essa lembrança dos meus 16 anos. Eu estou ansioso para começar a trabalhar nesse projeto. E estou muito feliz em dar vida a um personagem que saiu da cabeça do Renato Russo.”

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio