“A Bibi mexeu com o imaginário das pessoas”, diz Juliana Paes sobre estrondoso sucesso da personagem

Publicado há 3 anos
Por Leandro Lel Lima
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A vida de Juliana Paes pode ser definida a partir do “antes e o depois” de Bibi Perigosa, personagem da vida real que ganhou ainda mais visibilidade por conta do texto de Gloria Perez em A Força do Querer.

Como disse um amigo há poucos dias: ‘Juliana Paes ‘riscou’ o seu nome no Projac’. E não é pra menos. Se Carminha é para Adriana Esteves um marco, Bibi é também a cereja do bolo de Juliana, que pode ser vista no começo de sua carreira na reprise de Celebridade nas tardes da Globo.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Mesmo após o fim da trama de maior sucesso dos últimos anos, Juliana ainda colhe os frutos de sua “heroína”. Nas ruas o sucesso ainda é grande, sua agenda de compromissos não para. Férias mesmo só no ano que vem com toda a família, antes uma pausa só com o marido por cinco dias.

Veja também: “A trama não está glorificando ninguém”, afirma Fabiana Escobar, a Bibi da vida real

Segundo a atriz, 2018 será marcado por trabalhos no cinema como uma obra dirigida por Daniel Filho, ex-diretor da TV Globo. Juliana terá muitas cenas com Milhem Cortaz na adaptação de Boca de Ouro, de Nelson Rodrigues.

A atriz bateu um papo com a nossa reportagem sobre sua volta ao carnaval carioca pela Grande Rio, que faz uma homenagem ao Chacrinha, afirmou que engravidar não está nos seus planos e que Bibi mudou a sua vida: “Me senti a Madonna. A poeira ainda não desceu naturalmente. Eu não estava acostumada. A Bibi mexeu com o imaginário das pessoas. Todo mundo de A a Z, de crianças a idosos, gente rica, pobre… Fiquei feliz e surpresa”, declarou.

Confira: 

E as férias?

Eu não tirei férias ainda. Fiz o lançamento de Dona Flor e Seus Dois Maridos em algumas cidades. Uma batida insana. Preferi esperar as férias escolares dos meus filhos para fazer uma viagem de quase um mês.

E 2018 como será?

Vem carnaval, vou rodar um filme com o Daniel Filho sobre o Nelson Rodrigues, Boca de Ouro. Três filmes em 2018.

Ficou insegura por interpretar Gabriela no remake assinado por Walcyr Carrasco?

Logo no começo, sim. Ser mulher e atriz  no Brasil é complicado. Em alguns momentos eu lia: ‘será que ela não está muito velha pra fazer?’. Coisas referente à minha idade, não à minha capacidade. Quando mexem com a sua vaidade você fica ‘aí meu Deus, será que eu não tenho capacidade pra fazer?’. Como atriz eu posso viver mulheres mais velhas e mais novas. Depois que a novela foi ao ar foi um sucesso.

Pensa em dar uma pausa na carreira e se dedicar mais à maternidade?

Eu fechei a fábrica. A vida fica redondinha com dois. Eu não digo nunca, mas eu estou tomando todos os cuidados possíveis. Dois meninos estão bons pra mim.

Qual personagem você mais destaca na sua carreira?

Difícil. Eu tive personagens que deram um salto, eu adorava fazer, mas atendia um público menor, mais nichado. Mas Bibi foi um marco pra mim. Mudou a minha no sentido de me pararem na rua. Eu parei de fazer coisas naturais como supermercado…Me senti a Madonna. A poeira ainda não desceu naturalmente. Eu não estava acostumada. A Bibi mexeu com o imaginário das pessoas. Todo mundo de A a Z, de crianças a idosos, gente rica, pobre… Fiquei feliz e surpresa.

Carnaval será pela Grande Rio em homenagem ao Chacrinha…

Eu sou muito fã do Chacrinha. Sou de uma família muito simples. Minha mãe me chamava para ver: ‘vem criança, vai começar!’. (risos). Muito feliz com a Grande Rio e o tema. Minha fantasia representa o Troféu Abacaxi.

Como estão os preparativos para o desfile?

Tem que gostar de samba e sambar. Não sou daquelas que fazem o chão tremer, mas eu não faço vergonha, não.

Faz alguma dieta?

Eu não faço dieta. Eu malho pra poder comer. Eu não tenho rotina. Tenho algumas orientações, mas o meu trunfo são as atividades físicas, que a cada dia eu faço uma.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio