Publicidade

Diego Montez descreve o sarcástico Willian de Bom Sucesso: “Ele tem uma índole duvidosa”

Publicidade

Diretor de marketing da editora Prado Monteiro, extrovertido e sempre antenado às tendências. Esse é Willian, personagem de Diego Montez em Bom Sucesso, novela das sete da Globo que estreia dia 29 de julho. O rapaz divide apartamento com a ardilosa e ambiciosa Gisele (Sheron Menezzes), e não tem medo de bater de frente com a moça.

Em entrevista ao Observatório da Televisão, Montez descreveu a personalidade de Willian, que tem índole duvidosa, mas, ao mesmo tempo, um coração generoso. O ator também falou sobre os testes que realizou ao longo da carreira. Diego Montez já passou pelas emissoras SBT, Record TV, Disney Channel e mantém um canal no YouTube.

No bate-papo, o artista ainda comentou sobre a relação com os pais: a atriz Sônia Lima e o apresentador Wagner Montes, falecido em janeiro deste ano. Confira a seguir:

Continua depois da publicidade

O personagem

Quem é Willian?

O Willian é o diretor de marketing da editora Prado Monteiro. Ele divide apartamento com a personagem da Sheron Menezzes, que é a Gisele. Divide meio que por obrigação porque precisa pagar as contas, mas ele se dá bem mal com ela. Eles têm uma relação de colegas que se suportam. Ele está sempre cutucando ela, tem um humor bem sarcástico, ácido. Ao mesmo tempo, tem um outro lado porque ele tem um coração muito grande. Ele é uma pessoa verdadeiramente do bem, mas ele não perde uma piada para ‘xoxar’ a Gisele sempre que pode. Depois ele vai terminar saindo um pouco desse universo da editora. Eu trafego nesse lugar da editora Prado Monteiro e do meu apartamento.”

Como é a personalidade dele? Ele é bem-humorado, tem opinião forte?

Super em cima do muro. Ele é uma junção de muita gente que conheço, eu fui juntando. No teste já foi meio assim também, na hora que li o texto do Willian, eu falei já conhecia muita gente assim. E é muito gostoso quando você se identifica logo de cara.”

Mas existe uma inspiração principal para você compor o personagem?

Eu converso muito com o Felipe Cabral, que é um dos colaboradores. Eu assisti ele na peça ’40 Anos Esta Noite’, e aprendi muita coisa porque ele é ator também. Então tem muita coisa que eu peguei do Felipe. Tem um personagem no ‘Orphan Black’ que se chama Felix, e tem muita coisa que vejo lá e faz sentido. Uma série que eu amo de paixão é ‘Ugly Betty’, versão americana de ‘Betty, A Feia’, e também tem um personagem muito similar. Eu fui bebericando de várias fontes, jogando no liquidificador e deixando orgânico em mim o que ficava legal.”

Willian (Diego Montez) em Bom Sucesso (Divulgação/ TV Globo)

Mocinho ou vilão

O Willian é da turma do bem ou da turma do mal em Bom Sucesso? Você tem alguns vilões já no currículo, né?

Eu faço muito vilão. Ele tem uma índole duvidosa. O Willian não é alpinista, de sugar, nem nada. Mas ele sabe aonde pode pisar, é uma pessoa mais esperta. Então não posso falar que estou fazendo um mocinho pela primeira vez. Ainda não vai ser o momento [riso].”

O Willian vai se deixar influenciar pela malícia de Gisele?

Ele termina se moldando com a personalidade da Gisele. Às vezes eles se confundem, acho que é por isso que tem tanta rixa. Ele é a única pessoa que bate de frente com ela e fala a verdade. A Gisele é muito quietinha no trabalho, mas fora de lá ela é um dragão. Alguém para domar a Gisele tinha que ser o Willian.”

Núcleo da editora Prado Monteiro em Bom Sucesso (Foto: Paulo Belote/Globo)

Entrando no elenco

Como você está lidando com esse momento de estreia na Globo?

Está sendo muito legal! É o meu primeiro personagem adulto, que eu não estou num colégio e uniforme [risos]. Eu estou muito feliz! Nunca tinha trabalhado na Rede Globo. Fiz dezenas de testes para Malhação e não rolou. Fiz alguns testes para novelas das seis e sete.”

Você realizou teste para entrar no elenco de Bom Sucesso?

Para esse papel sim. Foi muito surreal porque o Fábio me achou, me garimpou. Eu fiz o teste umas três vezes, e na última vez não tinha gostado. Quando sai, falei: ‘eu tenho certeza que o personagem foi escrito para mim. Me Deixa fazer de novo?’. Ele respondeu que estava tranquilo e eu pensei que não ia receber nada. Aí eu estava no metrô da carioca, ele me liga: ‘oi, vamos fazer uma novela?’. Eu fiquei muito feliz!”

Você acredita que esse convite chegou no momento certo da sua carreira?

No momento mais do que certo. Acho que não era para ser antes. Eu tive uma trajetória muito legal em televisão, onde todo trabalho que fiz foi me agregando algo e me ensinando alguma coisa. Desde o SBT, depois na Record, Disney Channel, foi tudo me dando estofo para eu chegar aqui agora. Também tenho um canal no YouTube. O musical é onde eu mais trafego.”

Willian de Bom Sucesso (Foto: Globo/João Cotta)

Apoio da Família

No início do ano você perdeu o seu pai, o apresentador Wagner Montes. Ele acompanhava o seu trabalho como ator? Como era a relação de vocês?

Eu acho que isso aqui foi ele, na verdade. Uma curiosidade muito legal é que o meu pai sempre quis me ver na Globo, ele falava: ‘você já fez todas [as emissoras], falta a Globo’ [risos]. Então foi muito doido porque foi logo depois [a morte do pai], pouquíssimo tempo depois. Acho que uma semana depois eu recebi a ligação. Então tudo meio que fez sentido, sabe? Eu não senti em nenhum momento ‘poxa, queria que ele tivesse visto’, eu acho que foi algo por ele.”

A sua mãe, Sônia Lima, também é uma grande atriz. Como foi a reação dela ao saber que você tinha entrado para Bom Sucesso?

Ela ficou muito feliz! Eu sentei ela no sofá e falei que precisava contar uma novidade. Ela começou a achar, sei lá, que eu tinha batido o carro. Eu não contei que tinha feito o teste, eu levo para minha mãe só o resultado final das coisas para ela não ficar maluca, porque ela é muito ansiosa. Ela fala que eu sou ansioso, mas ela é mais. Aí quando eu contei, ela confirmou uma três, quatro vezes para saber se era verdade. Perguntou se eu não estava errado, eu falei que não e ela ficou muito feliz.”

Rótulo e rotina

As pessoas te rotulam como o filho do Wagner Montes e Sônia Lima?

Eu tive muita forte. Em musical, por exemplo, isso nunca aconteceu. Eu fiz o meu nome em teatro musical com as pessoas meio que não sabendo que eu era filho. Graças a Deus em televisão isso foi uma coisa que me acompanhou de uma certa forma. Quando eu estava na Record, o meu trabalhava lá na época. Mas o público que me acompanha muito, que é o infanto-juvenil, não teve acesso ao Wagner Montes e Sônia Lima. Diversas vezes minha mãe ficava frustradíssima porque falavam assim: ‘você é a mãe do Diego Montez?’ [risos]’. Então isso foi uma coisa que não me pegou. Nunca estive em um lugar por ser filho do Wagner Montes e Sônia Lima. Eu fiz teste para tudo. Eu fiz oito testes para entrar em ‘Rebelde’, não passei. Fiz mais dois e passei na segunda temporada. Se vocês pegarem todos os meus testes na Rede Globo dá para fazer um longa.”

Você falou que recebeu a ligação da sua entrada em Bom Sucesso quando estava no metrô. Você uma pessoa que costuma usar transporte público no dia a dia?

Eu estava fazendo o musical do Lulu Santos no Teatro Riachuelo, chamado ‘Meu Destino é Ser Star’. Eu estava indo ensaiar, eu acho. Na verdade, eu estava no VLT, não era nem no metrô. Eu estou sempre andando, resolvendo alguma coisa e na hora, eu tive que parar para absolver a informação. Eu ano pouquíssimo de carro. Eu lido muito bem com o meu transporte público.”

*Entrevista feita pelo jornalista André Romano.

Publicidade
© 2020 Observatório da TV | Powered by Grupo Observatório
Site parceiro UOL
Publicidade