Tais Araújo abre o jogo sobre cantar e dançar em Mister Brau: “Estou dando o truque em tudo como sempre”

Publicado há 3 anos
Por João Paulo Reis
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Tais Araújo está de volta como Michele em Mister Brau. A quarta temporada da série que estreia na TV Globo em abril, virá com uma novidade: o deslanchar da carreira musical da esposa de Brau (Lázaro Ramos). Diferente do marido que se encontrará perdido artisticamente, Michele passará a brilhar como uma diva pop causando diversos conflitos na família. Taís conversou com o Observatório da Televisão, e contou sobre a experiência de interpretar uma grande cantora na TV, e revelou que usa truques para cantar e dançar em cena. Confira:

Leia também: Marcos Mion posta foto de participação no seriado Sandy & Junior e pede: “Bora fazer acontecer?”

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Como está sendo para você voltar a Mister Brau?

Mister Brau é assim. Estamos na quarta temporada de uma série que fizemos para ter uma temporada só. Como não tínhamos pretensão de ser uma série que durasse tanto tempo, temos que ir inventando o que vai acontecer conforme a demanda das temporadas. Nesta, a Michele vira uma cantora de fama internacional, e discutiremos muitas coisas com isso. Desde o homem não segurar a onda quando a mulher tem destaque, até a questão dos refugiados.  Os autores fazem algo que acho super legal, que é olhar para a sociedade, ver o que ela está discutindo, pegar tudo isso e botar dentro da série. Como só sabemos se haverá uma nova temporada, quando a anterior sai do ar, dá tempo de ficar muito próximo do que está acontecendo no mundo.

E quais as mudanças da Michele nesta temporada?

Michele voltará bombando profissionalmente, e Brau terá um desencontro com a arte, o que gera um contraponto entre ela se achando artisticamente, e ele perdido nesse sentido, até que graças aos céus, ele se reencontra com a sua essência numa viagem a África. É Mister Brau, só estamos inventando histórias para fazer uma quarta temporada diferente das três primeiras (risos).

Ele perde o protagonismo para a Michele?

Não. Ele não perde. Na verdade, estamos contando a história desse cantor que perde a identidade artística de repente, e para ter um conflito, alguma coisa precisa acontecer, e essa coisa vai ser a mulher dele, que antes estava ali na infraestrutura da carreira dele, e acaba explodindo na carreira de cantora. Isso acontece para que a gente possa discutir essas questões, e se criar um conflito real dentro da casa. Ele não perde protagonismo, pelo contrário, ele começa a agir em busca da identidade que em teoria ele perdeu.

Show de Michele Brau (Taís Araujo) em Mister Brau (Divulgação/ TV Globo)

Como está sendo para você cantar e dançar nesta temporada?

Estou dando o truque em tudo como sempre. Dando o truque na dança, e no canto. Desde as Empreguetes, eu já percebi que se eu tivesse talento para ser cantora, mesmo assim eu não seria, porque não tenho vocação. É muito ensaio, muita dedicação, mas é divertido brincar de popstar. Quando fizemos cenas de shows, com o estúdio lotado de figurantes, foi maravilhoso. Eu dizia para eles: “Vocês têm que me ajudar, e pelo menos achar que eu sou alguma coisa” (risos).

A Michele vai viver aquele drama da mulher que sai para trabalhar e deixa os filhos em casa. Você Tais, já vive isso não é?

Tem três anos que tenho trabalhado muito e essa é uma questão da minha vida. Quando começo a gravar, vejo meus filhos muito pouco, e tem dias que não consigo vê-los acordados, mas tenho uma profissão que me proporciona descansar de verdade, por 2 ou 3 meses quando acabarem determinados trabalhos, e ficar dedicada a eles. Existe um equilíbrio nisso, mas eles estão super acostumados, a gente vai negociando o tempo inteiro. E tem minha mãe também, meu pai, meu sogro e as meninas que trabalham com a gente. Essa ajuda faz com que eu fique muito segura em vir trabalhar, fora que controlo o tempo inteiro o que eles estão fazendo, mas nada se compara à presença. Em algum momento alguma coisa fica no débito (risos).

Estava fazendo uma pesquisa, e seu nome está sempre no topo das listas de figuras mais populares da publicidade, em quem o público mais confia. Como é para você representar tanta gente?

Não sei. Não fico dimensionando as coisas, claro que acompanho essas listas também, afinal é minha carreira e quero saber o que as pessoas pensam a meu respeito e para quem estou falando, mas penso muito em quando eu era criança e adolescente, em que não existia ninguém tão próximo da minha idade em quem eu pudesse me nortear. Isso de fato é um lado muito frágil da construção da minha identidade, porque todo mundo precisa saber que é possível, e durante muito tempo era uma coisa meio flácida saber quem eu gostaria de ser. Ah, quero ser a Ruth Souza? A Ruth tem idade para ser minha avó, Zezé tem idade para ser minha mãe, e eu não conseguia ver alguém que estivesse próxima da minha idade, então acho muito importante mesmo, pensando na criança e na adolescente que fui, tenho essa lacuna na minha construção.

Você disse que não sabe dançar nem cantar. Quais os truques você usa?

Os truques são o seguinte: Comecei a fazer aula antes de todo mundo para facilitar a vida da produção. Fazia aulas em casa, porque não canto e não danço, mas se estou mais preparada, posso dar o mínimo pelo menos. Chego no estúdio, faço cada absurdo e o produtor Ricardo Leão me ajuda muito. Teve uma música que gravei, que eu só chorava, porque estava tão cansada que não conseguia alcançar a nota. As danças também, fiz aulas, aí veio o Zebrinha e fez todas as coreografias, e quando fui colocar em prática descobri que tirando o espelho da minha frente, eu não sei dançar. Eu estava copiando das meninas o tempo todo, e só fui perceber isso no palco, por pura falta de técnica. Ensaiamos de novo sem o espelho na frente, aí me disseram que eu teria que usar microfone. Fiquei sem saber o que fazer de novo, e fui estudar as cantoras internacionais, e nenhuma canta com headset, só a Britney Spears. As outras cantoras, usam microfone e dão o truque na dança, fazem uns movimentos pequenininhos e fica por isso mesmo. A Beyoncé por exemplo, na hora do Single Ladies, que todo mundo quer ver ela dançar, ela manda para os backing vocals, e não faz nada. Fui entender como as cantoras fazem porque dançar pra caramba e cantar pra caramba ninguém consegue, mas precisa ter técnica, o que não tenho, e nem consigo aprender em 2 meses de preparação. Aí resolvi que ia pegar o microfone e me libertar da coreografia, virou a maior muleta para mim. Tenho vários truques, esqueço a música, e coloco o microfone na frente da boca e vamos lá.

Show de Michele Brau (Taís Araujo) em Mister Brau (Divulgação/ TV Globo)

Como é tocar naquele ponto em que a mulher leva dinheiro para dentro de casa, e muitas vezes o marido não?

Estamos fazendo um programa de TV aberta, comédia, que não tinha pretensão de discutir certas coisas apesar do primeiro episódio já ter um toque disso, quando eles compraram a casa, e os vizinhos acharam que eles estavam roubando. Veio uma demanda muito grande da sociedade em rede social para que pudéssemos abordar assuntos sérios. Sempre que começávamos a falar de temas sociais, o retorno era enorme, então pensamos que as pessoas estavam a fim de falar sobre o que estava acontecendo no mundo de maneira leve e divertida. E acredito que a comédia seja a melhor maneira de fazer isso. Estamos numa mudança de estrutura de sociedade, que urge por isso, e fazer isso num canal aberto, me dá o maior orgulho.

Em qual momento você se sente poderosa?

Quando estou fantasiada, quando vou fazer fotos que chego lá e faço a palhaça. Na vida mesmo é tanta demanda, que não dá.

*Entrevista feita pelo jornalista André Romano.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio