Miguel Falabella revela como surgiu a ideia de criar o seriado Brasil a Bordo

Publicado há 3 anos
Por André Romano
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Miguel Falabella é um grande autor. E a prova disso é o seu novo projeto original, ‘Brasil  a Bordo’, que vem alcançando uma ótima audiência no horário nobre. Mérito do artista e de seu elenco enxuto. Em uma conversa intimista, o dramaturgo revela como surgiu a ideia para criar o seriado e pede para o público ‘paciência’ com o projeto.

Confira o papo:

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Leia também: Regina Volpato se manifesta após ser efetivada no Mulheres: “Vim para ficar”

Como foi o processo de criação do ‘Brasil a Bordo’?

“O ‘Brasil a Bordo’ nasce de uma ideia que tive uma vez, a partir de uma frase que me veio à cabeça lendo jornais e assistindo ao noticiário: ‘o Brasil é um país que só consegue se entender no delírio’. Acho que, há alguns anos, nós todos viemos em um voo cego que não se sabe direito onde é que vai dar. Então eu pensei: por que não juntar isso? Contar a história de uma companhia aérea quebrada através da comédia, que eu considero a melhor forma de dizer a verdade às pessoas. Pensei em juntar esse delírio do Brasil, essas incongruências nacionais, com essa companhia aérea que voa sobre uma nação completamente delirante.”

Essa família tem alguma relação com as outras famílias que você criou em trabalhos anteriores?

“Eu sempre me interessei por personagens que estão à margem. Acho interessante pegar um personagem e encharca-lo de humanidade. As minhas personagens são assim. Essa talvez seja a família mais louca que eu já criei. No ‘Pé na Cova’, era uma família muito afetuosa, mas a família Cavalcanti não é afetuosa, muito pelo contrário: eles são cruéis uns com os outros.”

Fale um pouco sobre o dia a dia das gravações. Você manteve a parceria com a Cininha de Paula e reuniu grandes nomes da nossa televisão para este projeto.

“É um elenco escolhido. A grande maioria de nós já trabalhou juntos, nós nos conhecemos e as nossas peculiaridades, a nossa maneira de trabalhar. Há um real afeto. E acho que, quando há um real afeto, isso vaza, seja no palco, seja na telinha ou na telona. Uma boa relação de coxia e de bastidores acaba encharcando o produto de um real afeto. E nós temos isso aqui.”

O que o público pode esperar de ‘Brasil a Bordo’?

“Acho que é uma série diferente. Assistam com calma. O primeiro episódio apresenta e depois as coisas vão acontecendo. Tem que ter paciência e escutar.”

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio