“A chegada da Mara causou estranheza”, afirma Leão Lobo sobre a nova integrante do Fofocando

Publicidade

Leão Lobo, um dos mais conhecidos fofoqueiros do Brasil, com 32 anos de carreira no segmento, recebeu há dois meses a missão de começar uma nova empreitada profissional, apresentar o Fofocando no SBT e enfrentar o sucesso de Fabíola Reipert na Record. Em entrevista exclusiva ao Observatório da Televisão, ele fala sobre a carreira, a relação com os colegas e as fontes.

Leão Lobo estava na Gazeta quando recebeu o convite de Silvio Santos para ir para o SBT. Foi uma decisão difícil, mas o apresentador resolveu arriscar. “Eu estava precisando muito de dinheiro nesse momento da minha vida. Mas a direção da Gazeta não concordou em eu conciliar os dois trabalhos, ficaram muito bravos. Eles me disseram: ‘não vamos deixar você ir, você tem que escolher ou aqui ou lá’. Aí não tive outra escolha, paguei a multa e fui para o SBT”, explica Leão Lobo.

Sobre a relação com a antiga emissora, Leão acredita que pode ter fechado uma porta. “Eu estava feliz na Gazeta, uma casa que eu adoro, gosto de todos lá, tenho grandes amigos. Mas agora não sei se tenho as portas abertas, não sei se eles me aceitariam de volta”, lamenta o apresentador.

Questionado sobre o risco de Silvio Santos acabar com o programa a qualquer momento caso não alcance sucesso, Leão Lobo ameniza a situação. “O Silvio me deu muita segurança, tenho um contrato de um ano e o programa está dando certo. Mas eu sabia que era um risco e nesse momento eu estava precisando e resolvi arriscar.”

Apesar de não conquistarem a vice-liderança na média, Leão celebra a audiência do Fofocando. “Estamos super felizes, chegamos a ficar a um décimo do primeiro lugar, estamos satisfeitos.”

A concorrência com Fabíola Reipert não assusta Leão Lobo, que garante não acompanhar o trabalho da colega e admite o sucesso da concorrente. “Eu pouquíssimas vezes vi a Fabiola no Balanço Geral, eu não gosto de ver, cada um tem seu jeito, não gosto de me influenciar, ela faz o dela eu faço o meu. Fofoca é fofoca, não tem segredo. A química que ela tem lá com o Lombardi e o Gottino é o que deu certo.”

Mas ele afirma que no Fofocando a química entre os apresentadores também é boa. “A gente se dá super bem, o homem do saco, a Mamma, a gente brinca muito em cena e fora de cena.”

Mara Maravilha veio para polemizar no Fofocando
Mara Maravilha veio para polemizar no Fofocando

Recentemente uma nova integrante, Mara Maravilha passou a fazer parte do time do programa, Leão assume que em um primeiro momento foi pego de surpresa com a notícia da nova colega, mas que depois tudo ficou acertado. “A chegada da Mara causou uma estranheza, mas depois nós falamos com o Silvio, ele explicou e entendemos o que ele pretendia… Ela veio para polemizar, apimentar o programa”, conta o apresentador.

“Isso é uma inverdade… Todos me paparicam”, afirma Mara Maravilha sobre brigas no Fofocando

Confira na íntegra a entrevista com Leão Lobo:

Como surgiu o convite do SBT e como foi sua saída da Gazeta?

A Mamma me ligou e disse que o Silvio Santos estava criando o Fofocando e me queria lá, depois de um tempo ele me ligou e fez a proposta eu disse que estava na Gazeta, ele aceitou que eu ficasse nos dois trabalhos e para mim seria ótimo, eu estava precisando muito de dinheiro nesse momento da minha vida. Mas a direção da Gazeta não concordou em eu conciliar, ficaram muito bravos. Eles me disseram: ‘não vamos deixar você ir, você tem que escolher ou aqui ou lá’. Ai coincidiu do Silvio me ligar novamente e eu decidi ir, até porque a oferta do SBT era melhor financeiramente. Mas ai eu teria que cumprir o contrato por mais um mês, só que não podia conciliar com o SBT, disseram que era exclusivo. Aí não tive outra escolha, paguei a multa e fui para o SBT.

E como ficou sua relação com a Gazeta?

Eu estava feliz na Gazeta, uma casa que eu adoro, gosto de todos lá, tenho grandes amigos, mas eu estava acomodado e a proposta do SBT foi um susto, mas chegou no momento certo. Mas agora não sei se tenho as portas abertas na Gazeta, não sei se eles me aceitariam de volta.

Você não ficou com medo da instabilidade do Silvio Santos e ele tirar o Fofocando do ar em pouco tempo?

O Silvio me deu muita segurança, tenho um contrato de um ano e o programa está dando certo. Mas eu sabia que era um risco e nesse momento eu estava precisando e resolvi arriscar. A gente não pode ter medo tem um momento que você tem que crescer.

E outra, o Silvio está investindo em um momento que ninguém está, estão demitindo. Ele também arriscou e isso nos encorajou.

Você ajudou na formatação do Fofocando?

Foi o Silvio Santos quem criou o Fofocando, mas nós demos muitos palpites, fomos acertando o programa aos poucos. Agora temos o sofá da Hebe, estou emocionadíssimo.

Vocês estão satisfeitos com a audiência?

Estamos super felizes, chegamos a ficar a um décimo do primeiro lugar, estamos satisfeitos. Teve um momento de transição em que caímos um pouco, mas já recuperamos.

Você sabia que teria a missão de enfrentar a Fabíola Reipert da Record?

A gente sabia que era um programa de fofoca, no mesmo horário e tínhamos a missão de fazer dar certo. Eu sempre pensei assim, acho que cada um tem um jeito de fazer, cada um faz o seu, sendo bem feito e honesto dá certo, não tenho medo de competição, não me assusta.

Você foi para o SBT logo depois de criar um climão com a Eliana, como foi isso?

Na verdade o que aconteceu foi um mal entendido, eu estava defendendo a Eliana, eu dei a notícia com a melhor das intenções, questionando o porque da demora na renovação do contrato dela. Mas está tudo bem, ela me chamou no programa dela e acertamos tudo.

Vocês se falam? São amigos?

A minha relação com a Eliana ficou um pouco estremecida desde a separação dela com o Edu Guedes, porque na época eu defendi ele e ela não gostou. Por esse motivo ela pode ter pensado que eu fui maldoso ao dar a notícia sobre ela. Mas agora a gente se aproximou novamente.

Você assistia sua concorrente Fabíola Reipert?

Eu pouquíssimas vezes vi a Fabiola no Balanço Geral, eu não gosto de ver, cada um tem seu jeito, não gosto de me influenciar, ela faz o dela eu faço o meu. Fofoca é fofoca, não tem segredo. A química que ela tem lá com o Lombardi e o Gottino é o que deu certo.

E entre vocês do Fofocando, como é o clima?

Nós aqui também temos nossa química. A gente se dá super bem, o homem do saco, a Mamma, a gente brinca muito em cena e fora de cena.

E como foi a chegada da Mara Maravilha?

A chegada da Mara foi avisada uns 15 dias antes, a gente já sabia, causou uma estranheza, mas depois nós falamos com o Silvio, ele explicou e entendemos o que ele pretendia. Estamos cada vez mais alinhados. Eu conheço a Mara há muitos anos, era amigo da mãe dela, inclusive defendi ela na época da história da macumba contra a Angélica.

Qual a missão da Mara no programa?

A Mara veio para polemizar, apimentar o programa, ela tem uma visão de telespectadora, eu sou profissional, então nossas opiniões divergem e isso dá um ruído bacana. No começo houve um estranhamento, mas depois do terceiro programa foi melhorando.

Vocês chegaram a ter algum mal estar no começo?

Houve sim uma discordância em cena, mas superamos, quanto mais diversidade de opiniões tiver o programa, melhor. A ideia é ter polêmica, que a gente noticie e comente sobre a fofoca. Cada um coloca sua visão e às vezes acontece alguma discussão.

Léo Dias é um reforço no Fofocando
Léo Dias é um reforço no Fofocando

O Léo Dias chegou para reforçar o time?

Ele é a novidade do programa e traz muito conteúdo bacana, o programa está redondo.

E o Homem do Saco?

Ele tem algumas interferências divertidas, ele fala coisas que a gente nem espera, porque para ele que está com o rosto coberto é mais fácil polemizar.

Você e o time de apresentadores contribuem com o conteúdo do programa?

Todos nós contribuímos com conteúdo, eu não sou apenas apresentador. No dia anterior passamos sugestões e no ar a gente conta metade do que a gente prepara, não dá muito tempo em 1h30.

Quem são suas fontes?

As pulguinhas são minhas principais fontes, tem diretor de TV, câmera, produção, pessoas que encontro na rua. Inclusive tem gente que me pergunta ‘posso ser sua pulguinha?’, passam o telefone e ficam enviando as fofocas.

Você confia 100% em suas fontes?

Não, tem que checar, apurar, não pode confiar cegamente na fonte.

Foi processado muitas vezes?

Eu tive alguns processos, ganhei alguns, perdi outros e me diverti muito. Mas serve pra gente aprender a ser mais prudente e evitar algumas situações.

Você já deu alguma informação errada?

Uma única vez aconteceu de eu dar uma informação errada, já faz muitos anos, foi uma notícia sobre a Fafá de Belém, a assessora dela me ligou e contou que ela estava sendo perseguida, que ninguém apoiava ela e que por isso ela estava doente. A Fafá me ameaçou de processo e eu percebi que eu tinha sido enganado. A partir dai eu passei a ficar mais de molho.

E qual foi seu maior furo?

O maior furo que eu dei foi da ida do Jô Soares para o SBT. Ele estava na Globo e eu fui o primeiro a informar sobre a troca de emissora. Foi muito legal.

Qual a maior dificuldade em ser jornalista de celebridades?

A maior dificuldade é que tem muita gente fazendo, gente competente como o Léo e Fabiola, mas também tem muito picareta fazendo fofoca, vulgarizou a área, desprofissionalizou, gente que joga a informação sem apurar e isso é ruim para todos nós.

Você é amigo dos famosos?

Eu sempre tive grandes e queridos amigos no meio artístico e isso me ajudou muito. Então eu adoro fazer amizades com artistas. Mas pelo meio do caminho, por conta de algumas notícias eu perdi amigos.

Você é maldoso na maneira de noticiar?

Eu não faço fofocas para ser mau, não invisto nisso, não há maldade nas minhas notícias.

Você gosta de se assistir na TV?

Eu não gosto de me ver na TV, eu tenho um pouco de aflição.

Você se considera um personagem?

Eu não faço um personagem, sou eu mesmo, mas eu faço um show, tenho meu bordão, meu estilo, jogo as fichas, a Mamma é um personagem, já a Fabíola e o Léo Dias são mais jornalistas.

Você gosta de fazer programa ao vivo, não teme as gafes?

Eu adoro o ao vivo, sou ator de teatro e jornalista, essa fusão deu o Leão Lobo. Gafes acontecem, é natural.

E qual seu sonho profissional?

Meu sonho é fazer um programa com auditório, não de auditório como do Silvio, mas parecido com o da Hebe, com entrevistas. Eu sinto falta de ver a carinha das pessoas reagindo, interagindo, eu fiz uma vez algo parecido no Melhor da Tarde, na Band.

É verdade que você quase apresentou o TV Fama?

Eles me chamaram para ser o apresentador e o Otávio Mesquita o repórter do programa. Eu estava saindo da CNT/Gazeta, mas ai rolou uma puxada de tapete. Eu fiquei sabendo durante uma entrevista do Mesquita, que eu não seria o apresentador e eu já tinha encerrado com a Gazeta e fiquei desesperado, eu precisava de emprego, mas ai a Gazeta me deu outra oportunidade e eu não fui para a RedeTV!. Fiquei mais um ano lá e depois fui para a Band. Depois o Otávio me pediu desculpas.

Para finalizar, você teme o fim do Fofocando?

Não, estamos bem. O que eu sinto é muita inveja de alguns colegas, que ficam torcendo contra, para dar errado. Acho isso muito triste, porque hoje sou eu, amanhã pode ser outro colega. E o mais importante, abrimos uma frente de trabalho, empregamos vários profissionais, em um momento de crise, movimentamos o mercado.

Publicidade