Tom otimista marca desfecho da segunda temporada de Sob Pressão

Publicado há 2 anos
Por André Santana
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Sob Pressão, principal novidade no segmento de séries da Globo do ano passado, encerrou sua segunda temporada ontem (18) com muitos méritos. A atração, que faz um retrato realista do caos da saúde pública do país, deu um passo além na abordagem da temática ao explorar a corrupção no segmento. No entanto, apesar do tema dramático, a série conseguiu, em seu desfecho, injetar alguma esperança no espectador. E sem ser piegas ou idealista ao extremo, o que é mais difícil.

O longo episódio final mostrou o desmantelamento do esquema de corrupção implantado por Renata (Fernanda Torres) no hospital público onde a série se passa. Quando um paciente perde a perna em razão da falta de material básico na instituição, o jovem médico Henrique (Humberto Carrão) finalmente se dá conta do mal ao qual estava envolvido. Ele, então, resolve entregar Renata e o esquema. Inicialmente, é Evandro (Julio Andrade) quem acaba acusado, mas logo a chefe do hospital é pega.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Leia também: Drama e emoção marcam último capítulo da segunda temporada de Sob Pressão

Antes de ser presa, Renata chega a ser vítima de um atentado, quando leva um tiro de um paciente prejudicado por ela. Ela é salva justamente por Evandro e sua equipe no hospital, e presa logo em seguida. No entanto, o hospital acaba fechado. O episódio é finalizado por uma reflexão de Evandro. “A esperança de ter uma saúde pública digna pra todo mundo ninguém vai tirar da gente. Nunca”, disse.

Otimismo

O roteiro de Sob Pressão foi muito feliz na abordagem da corrupção ao longo de toda a temporada. A série mostrou os diferentes tentáculos que levam às vantagens e negociatas, e o quanto o “dinheiro fácil” pode ser sedutor diante até do mais correto profissional. Além disso, deixou claro o quanto esta prática prejudica o serviço e, consequentemente, os pacientes.

Mas mostrou que, apesar das dificuldades, o combate à prática é possível e necessário. Evandro, Carolina (Marjorie Estiano) e seus colegas representam os bons profissionais que honram o ofício e o respeito à vida. A prisão de Renata e Henrique, então, foi um desfecho otimista. São os criminosos pagando por seus crimes. Mas, infelizmente, as práticas erradas têm consequências tristes. O fechamento do hospital deve ser o mote da próxima temporada da série.

Além da trama que atravessou a temporada, Sob Pressão também foi feliz no aprofundamento das questões individuais de seus personagens principais. O público seguiu cúmplice de Evandro e Carolina e seus dramas pessoais. A humanização dos personagens é que faz com que a série ganhe substância e cria um vínculo direto com o espectador.

Leia também: RecordTV acerta com edição especial do Canta Comigo

*As informações e opiniões expressas nessa crítica são de total responsabilidade de seu autor e podem ou não refletir a opinião deste veículo.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio