Tensa e contundente, Segunda Chamada já é uma das melhores novidades do ano

Publicado há um ano
Por André Santana
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Desde antes da estreia, Segunda Chamada já parecia um produto televisivo acima da média. Pois a série da Globo estreou e confirmou a impressão inicial. E agora, passados sete episódios da produção estrelada por Débora Bloch, já é possível considerá-la uma das grandes novidades do ano. O drama sobre uma escola pública deteriorada e seus alunos alcançou um patamar de qualidade pouco visto nas séries nacionais.

Segunda Chamada foi rotulada como a “Sob Pressão da Educação”. E a proposta é realmente semelhante. Entretanto, Segunda Chamada amplia o leque do debate sobre questões fundamentais. Isso porque a escola, mais do que o hospital, é um cenário um tanto quanto rico. A Escola Maria Carolina de Jesus é um microcosmo social, que reúne num único ambiente pessoas absolutamente distintas. Em comum, estas pessoas têm a vontade de mudar de vida e vê na escola uma saída para isso.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Nos episódios mais recentes, a série tratou de temas contundentes. A morte de Maicon Douglas (Felipe Simas) disparou uma série de acontecimentos que afetaram o cotidiano do colégio. Mais do que isso, a perda do aluno despertou os traumas profundos da professora Lúcia (Débora Bloch), que ainda tem dificuldades em lidar com suas perdas.

Cansaço

Júlia Spadaccini e Carla Faour, as roteiristas de Segunda Chamada, foram muito felizes na idealização e concepção da série. As autoras criaram um universo que é real e reconhecível. E, com ele, conseguem criar situações que pegam o espectador. Além do cenário rico, Segunda Chamada conta com personagens bem delineados, que são capazes de despertar compaixão e indignação. Além disso, a série tem o trunfo de tratar de temas delicados sem juízo de valor. Ela joga os temas sobre a mesa e coloca o público para pensar.

Há um cansaço evidente nas feições e atitudes de Eliete (Thalita Carauta), Sônia (Hermila Guedes), Marco André (Silvio Guindane) e do diretor Jaci (Paulo Gorgulho). É um cansaço que evidencia a própria falência do sistema educacional brasileiro como um todo. No entanto, o fato de eles seguirem na luta injeta alguma esperança. No fundo, Segunda Chamada é sobre um Brasil que acredita, mas nem sempre alcança.

*As informações e opiniões expressas nessa crítica são de total responsabilidade de seu autor e podem ou não refletir a opinião deste veículo.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio