Tempo de Amar tem estreia ágil e promete agradar apesar dos clichês românticos

Publicado há 3 anos
Por João Paulo Reis
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Logo que as primeiras chamadas de Tempo de Amar foram ao ar, o que se via na tela era uma novela que parecia ter um pé no passado, e tem. A nova trama das 18h, escrita por Alcides Nogueira não apenas se passa há quase 100 anos, como também tem um enredo que remete às novelas de antigamente. O que muda é somente a narrativa, ágil, atual, numa edição quase videoclipada.

Leia também: Saiba como será Cidade Proibida, série que estreia hoje na Globo

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Os elementos clássicos estiveram presentes no primeiro capítulo exibido nesta terça-feira (26). Maria Vitória (Vitória Strada), uma jovem portuguesa rica, órfã, criada por um pai benevolente, José Augusto (Tony Ramos), e por uma governanta má e autoritária, Delfina (Letícia Sabatella), se apaixona à primeira vista por Inácio (Bruno Cabrerizo), um rapaz pobre, que tenta ajudar financeiramente a tia, Henriqueta (Nívea  Maria), uma doceira que dá duro para sustentar a família.

Além do amor à primeira vista, há o choque de classes, devidamente ignorado pela mocinha e a presença de um dos vilões da história, que parece ter saído diretamente dos romances, Fernão (Jayme Matarazzo), o arrogante recém-formado médico que se apegou à ideia de se casar com Maria Vitória devido a um acordo firmado pelos pais de ambos quando ainda eram crianças, clichês românticos esses, que o público pode não engolir tão facilmente.

Num Brasil, onde acreditava-se em prosperidade, motivo do sonho profissional de Inácio,  está o núcleo que gira em torno da cantora de fado Celeste Hermínia (Marisa Orth). Uma cena na casa da cantora, chamou a atenção por usar a política de 1927 para retratar o que acontece na política nacional atualmente. Em apenas uma única cena, a vilã Lucinda (Andreia Horta) já mostrou a que veio, usando frustrações pessoais para descontar sua raiva nas pessoas a sua volta, mas a surpresa ficou por conta de Regina Duarte, como Madame Lucerne, cantando e dançando para apresentar ao público seu cabaré.

A direção de Jayme Monjardim garantiu uma fotografia excelente com enquadramentos precisos, e ótima utilização da luz solar. Diferente de outras tramas vistas anteriormente, não existe em Tempo de Amar um excesso de filtros coloridos. Um alívio para os olhos. O casal protagonista formado por atores novatos (no Brasil), foi bem com o texto que tinha em mãos. Se bem conduzida a trama tem tudo para agradar ao público do horário e manter todo o sucesso de Novo Mundo.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio