Shippados acrescenta melancolia à obra cômica de Alexandre Machado e Fernanda Young

Última série da dupla de Os Normais tem momentos ternos e sensíveis

Publicado há 2 dias
Por André Santana
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Com Shippados, série do Globoplay que agora ganha exibição na TV Globo, o casal de roteiristas Alexandre Machado e Fernanda Young imprime alguma novidade ao seu estilo particular. A saudosa escritora e seu marido voltam à comédia ácida, mas acrescentam a ela uma dose de drama e melancolia.

Isso porque o casal da vez, Rita (Tatá Werneck) e Enzo (Eduardo Sterbitch), se une pelo traço comum de suas personalidades incomuns: são desajustados anacrônicos e antissociais. Perdidos em meio às redes sociais, e sem interesse em tudo o que interessa aos amigos, os dois são dois deslocados que ficam juntos tentando se encaixar.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Com isso, Rita e Enzo se distanciam de Rui (Luiz Fernando Guimarães) e Vani (Fernanda Torres), o principal casal criado pela dupla de autores em Os Normais. Enquanto a dupla da sitcom de 2001 reproduz pequenas loucuras comuns a qualquer casal, Rita e Enzo destoam destes elementos de identificação. São disfuncionais às suas maneiras.

Justamente por se sentirem deslocados e parecerem de outro tempo, Rita e Enzo carregam um traço de melancolia bastante evidente. Com isso, a graça do casal não é óbvia. Ela vem de um riso terno, quase nervoso. Mas que se potencializa quando os dois se encontram e dividem suas estranhezas.

Drama

Além disso, Shippados também tem momentos que fogem da metralhadora verborrágica do texto de Machado e Young. Desta vez, os roteiristas investem num arco dramático que permeia a primeira temporada e acrescenta elementos dramáticos ao enredo da série.

Estas cores ficam mais fortes quando a busca de Rita por seu pai passa ao centro do enredo. É a desculpa para unir todos os casais da série, já que, além de Rita e Enzo, há Brita (Clarice Falcão) e Valdir (Luis Lobianco), e Suzete (Júlia Rabello) e Hélio (Rafael Queiroga). Esta “união” em ritmo de excursão rende gags impagáveis.

Entretanto, o passado dramático de Rita aumenta o traço de melancolia da moça, levando a série para outro lugar. Por isso, o último trabalho na TV da dupla Alexandre Machado e Fernanda Young é, também, um de seus trabalhos mais maduros. Shippados é surpreendentemente terna, dentro da loucura e da comédia habitual dos autores.

*As informações e opiniões expressas nessa crítica são de total responsabilidade de seu autor e podem ou não refletir a opinião deste veículo.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio