Sem assistencialismo, Domingão do Faustão se destaca pela alegria

Publicado em 04/07/2017

Está cada vez mais puxado assistir TV aos domingos, dia em que quase todas as emissoras buscam audiência através de assistencialismo ou explorando a desgraça alheia.

Até a Globo faz isso, já que no sábado Luciano Huck passa boa parte de seu Caldeirão com pessoas pedindo ajuda, seja com casas, carros, etc. Mas a questão é que a preguiça impede os executivos de TV de entenderem que não apenas tragédia atrai público.

Como exemplo, o recém-findado Tamanho Família, que emociona por resgatar a união entre as famílias e não seus dissabores, e o Domingão do Faustão, que depois de uma fase difícil nos anos 1990 se estabeleceu como líder nos finais de tarde.

Com o lastimável “sushi erótico” completando 20 anos, hoje é possível dizer que Faustão conseguiu dar a volta por cima, com seu dominical apostando em quadros que na maioria das vezes colocam famosos para mostrarem seu talento – ou descobrirem qualidades que desconheciam, como no Dança dos Famosos, Circo do Faustão ou outros.

No final de semana, a atração encerrou a primeira temporada do Show dos Famosos, que repercutiu positivamente com apresentações incríveis, mesmo que muitas vezes os artistas aparecessem no palco com caracterizações bizarras. Fora o Ding Dong, que tem fãs fiéis nas redes sociais e por isso teve a temporada apliada.

Ou seja, é possível ter audiência sem apelar. Fausto Silva descobriu isso a tempo, pena seus concorrentes não fazerem o mesmo.

Ícaro Silva é o grande campeão do Show dos Famosos

*As informações e opiniões expressas nessa crítica são de total responsabilidade de seu autor e podem ou não refletir a opinião deste veículo.