Salve-se Quem Puder: Daniel Ortiz mirou Carlos Lombardi, mas acertou Walcyr Carrasco

Publicado há 9 meses
Por André Santana
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

O autor Daniel Ortiz definiu Salve-se Quem Puder, sua nova novela das sete na Globo, como um resgate às novelas das sete clássicas. Bebendo da fonte de nomes como Cassiano Gabus Mendes, Carlos Lombardi e Silvio de Abreu, de quem é discípulo, o novelista prometeu uma trama recheada de ação e comédia. E entregou. No entanto, o primeiro capítulo da produção o aproxima mais de Walcyr Carrasco, novelista conhecido pelo excesso de didatismo, do que de suas demais “inspirações”.

A estrutura de Salve-se Quem Puder lembra bastante o melhor de Carlos Lombardi. Sua premissa remete, de cara, a duas tramas do autor dos “descamisados”: Quatro por Quatro e Pé na Jaca. Da primeira, Salve-se Quem Puder tem as protagonistas mulheres, unidas por um acaso. Já da segunda, está o fato de que uma fazenda e tutores “caipiras” esperam por Luna (Juliana Paiva), Alexia (Deborah Secco) e Kyra (Vitória Strada) assim que elas estiverem no serviço de proteção à testemunha. Tal qual Arthur Fortuna (Murilo Benício), que perdeu tudo e foi parar na fazenda caindo aos pedaços de seu tio.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Entretanto, na execução da premissa, Ortiz está mais para Walcyr Carrasco. O primeiro capítulo de Salve-se Quem Puder foi desenhado para não haver dúvidas. Sobretudo na apresentação de Alexia e Kyra, duas heroínas puxadas para o humor, o tom “over” impregnou as cenas. Assim, Alexia foi vista como uma “devoradora”. Já Kyra apareceu tão atrapalhada que passou do ponto. Apenas Luna teve uma apresentação menos carregada nas tintas. O que deixou claro que é ela a heroína romântica do enredo. Ou seja, Ortiz aposta no pastelão, mas deixa de lado a sofisticação no trato dos diálogos e situações que caracterizava os autores que o servem de inspiração.

Elenco e direção

Para aumentar o clima de pastelão, a direção de Fred Mayrink é totalmente inspirada no saudoso Jorge Fernando. Há uma evidência das gags, no intuito de não deixar dúvida ao espectador de que se trata de uma sequência de humor. O tom colorido e meio teatral também colabora para fazer de Salve-se Quem Puder um produto com a assinatura de Fernando. O que não é um demérito. A direção está em sintonia com o texto.

Porém, o grande acerto de Salve-se Quem Puder, que pode fazer a novela render, é seu elenco bem escalado. Deborah Secco, experiente, dá credibilidade a uma personagem que poderia cair no ridículo. Já Vitória Strada mostrou um surpreendente timing cômico. Ela dá graciosidade à Kyra. Enquanto isso, Juliana Paiva emplaca mais uma mocinha, tipo que lhe cai bem.

Se não tem um texto lá muito sofisticado, ao menos Salve-se Quem Puder oferece uma comédia simples e de fácil digestão, quase infantil. Com isso, Daniel Ortiz repete um estilo que funcionou bem em suas tramas anteriores, Alto Astral (2014) e Haja Coração (2016). É bem provável que funcione novamente.

*As informações e opiniões expressas nessa crítica são de total responsabilidade de seu autor e podem ou não refletir a opinião deste veículo.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais