Reprise de A Lei e o Crime ensina duas lições importantes para a Record

Publicado há 3 anos
Por Gabriel Vaquer
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Nesta última quinta-feira (5), a Record começou a reprisar a série A Lei e o Crime, produzida em 2009 pela emissora paulista, numa época em que sua teledramaturgia vivia seu auge.
Entretanto, seu retorno não foi dos melhores no quesito audiência. Foram 5 pontos de média, contra 12 do SBT, que exibiu o Programa do Ratinho – que vive fase esplendorosa – e A Praça é Nossa.
Todavia, questões de audiência à parte, a série continua com o seu mesmo impacto inicial da época de sua estreia, quase dez anos atrás – sim, amigos… nem parece.
Primeiro, o texto de Marcílio Moraes beira o primor. O texto de Nandinho da Bazuca, quando vai matar o seu concorrente pelo morro da Alvorada, é quase poético e ilustra bem a série: um cara que não é exatamente bandido, mas teve de virar pra conseguir fugir dos seus erros.
Portanto, vale ressaltar aqui também outro ponto: as cenas de ação. Naquela época, a Record tinha um expertise para cenas do tipo que impressionava. Dava aula de como fazer para a Globo, que penou em questões do tipo. Imagino eu que essa expertise ainda está lá, guardada em algum canto.

As lições que A Lei e o Crime ensinam para a Record

Entretanto, a reprise de A Lei e o Crime ensina duas lições que a Record não pode jogar no lixo. A primeira: produções contemporâneas precisam voltar a serem feitas, com muita urgência. Vide o tamanho de elogios que a série teve no Twitter.
Uma emissora que ganhou fama no fim da década de 2000 com suas tramas realistas, como Vidas Opostas, Chamas da Vida e Poder Paralelo, não pode jogar um passado desses no lixo apenas porque uma direção equivocada quer.
Veja também
O outro ponto é sobre seu planejamento de grade. Não tem como o Jornal da Record começar no horário que se inicia atualmente e não prejudicar quem começa depois. Não foi nessa faixa que ele foi bem, e já está provado que o JR ali prejudica a Record.
Concluindo, as duas decisões precisam ser revistas. Atualmente, o horário nobre é o calcanhar de Aquiles da Record. Se o canal quiser fazer frente, essas decisões precisam ser revistas e tomadas. A ver o que acontecerá. Enquanto isso, vamos curtir A Lei e o Crime. É uma série que sempre vale a pena ver.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio