Parece que o jogo virou no BBB 21 – e fora dele

A dois meses da final, programa pode finalmente engatar no eixo da diversão

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Decorrido um terço da duração do BBB 21, temos ainda dois meses pela frente e o programa agora já parece recuperar seu eixo de entretenimento. Com a eliminação da cantora Karol Conká e do não menos polêmico humorista Nego Di, o núcleo de personalidades com comportamento de repercussão negativa além da conta começou a ser desmantelado.

O reality show tem tudo para voltar a ser um programa mais de jogo individual e de relações do que de conflitos inspirados na polarização de grupos existentes do lado de fora da casa.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Um estudo independente realizada pela empresa de monitoramento de consumo e pesquisa de mercado Hibou após os primeiros dez dias do programa tinha concluído que o BBB 21 estava despertando emoções negativas e os chamados ‘gatilhos’ – quando se remete a experiências traumáticas do passado.

Isso mesmo com a maior parte dos entrevistados revelando que não assistia ao programa, com 30% deles dizendo que ficavam sabendo dos acontecimentos do reality por outros meios.

Os entrevistados da pesquisa citaram sentimentos de raiva, tristeza, preconceito, humilhação, indignação, nojo, repúdio e falta de empatia. Ainda, uma pequena parcela dos entrevistados, 6,7% deles, pensava até em parar de assistir ao programa, sendo 50% por acharem o conteúdo pesado.

Votação no passado

Acontece que o brasileiro tende a votar em reality show como num espelho de sua própria vivência, e isso bem antes do advento das redes sociais. É emblemático o caso do antigo programa Você Decide, num episódio do ano de 1992 no qual uma pessoa muito necessitada ficava com uma maleta de dinheiro deixada por um morto.

Para escolher o final preferido (na época, a votação era por telefone), o brasileiro optou com larga vantagem que a pessoa não deveria entregar o dinheiro, cujo destino pela vontade do morto deveria ter sido uma instituição de caridade.

A emissora e a mídia ficaram surpresas com a opção do público, um exemplo de que a audiência também reflete no entretenimento suas necessidades do dia a dia.

Neste BBB 21, até os patrocinadores da atração passaram a criar esforços de comunicação para entregar mensagens positivas, seja pelas palavras motivadoras formadas pelas latinhas de Coca-Cola, seja pelos conceitos de força e positividade em ação da cerveja Amstel no programa. Afinal, quem quer ter sua marca associada a sentimentos ruins como os da pesquisa?

Uma operação interna para salvamento do programa já tinha começado desde a saída do participante Lucas Penteado. O ator, extremamente abalado pelo que passou dentro do programa, desistiu de ficar na casa, abrindo mão de todas as benesses contratuais. Karol Conká e Nego Di saíram com os maiores percentuais de rejeição já registrados ao longo de 19 anos do programa, respectivamente com 99,17% e 98,76%.

Agora, é seguir de olho nas tramas tradicionais do próprio reality: articulações, armações, fofocas, romances, discussões decorrentes da convivência e do próprio jogo.

Falta a alguns participantes entendimento de que as pessoas do lado de fora estão mais dispostas a se divertir, a ver festas das quais nunca poderão participar, ver roupas e brincadeiras a que nunca terão acesso. O público assiste ao Big Brother Brasil como se fosse uma novela. Os atores lá dentro – e há profissionais ali – só precisam colaborar mais.

*As informações e opiniões expressas nessa crítica são de total responsabilidade de seu autor e podem ou não refletir a opinião deste veículo.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio