Os Dias Eram Assim ganha fôlego com mudança de fase

Publicado em 19/06/2017

Muito criticada por desperdiçar o ótimo tema da Ditadura Militar, utilizando-o como mero pano de fundo, Os Dias Eram Assim vem conseguindo empolgar nos últimos capítulos. A trama deu um salto no tempo e, atualmente, encontra-se já no início dos anos 1980, mostrando a abertura política do Brasil e as lutas pelas Diretas Já.

O interessante nesta movimentação é que Os Dias Eram Assim não precisava de mudanças de rota ou a inserção de pirotecnias para empolgar. Provavelmente um bom desempenho de audiência, como o alcançado atualmente, viria naturalmente, apenas com a mudança de fase. No entanto, a direção da Globo entendeu que a temática da Ditadura Militar não estava sendo bem compreendida por parte do público e tratou de tascar várias teleaulas sobre o assunto, deixando a novela bem enfadonha.

Se tivesse seguido sua rota normal, provavelmente Os Dias Eram Assim não teria tido uma fase tão entediante, tendo em vista que a trama estreou com um ritmo muito bom e trazia uma história muito bem escrita. A Ditadura vinha apenas como pano de fundo, sim, mas era um pano de fundo bem interessante, e que agia diretamente na vida do casal central, Renato (Renato Góes) e Alice (Sophie Charlotte). Concordo que o tema poderia ser melhor explorado, mas a trama da novela em si não era ruim. Mas perdeu fôlego inserindo tantas explicações ao público.

Agora, com o salto no tempo, a Ditadura Militar vai ficando para trás, deixando apenas seus resquícios e consequências nas vidas de praticamente todos os personagens da obra. Assim, as telaulas finalmente deixam de ser obrigatórias, imprimindo mais dinamismo ao enredo. E a abertura política segue como pano de fundo, desta vez como um molho a mais justamente no reencontro entre Alice e Renato. A mocinha, que acreditava que o amado estava morto, começa a descobrir os planos de seu pai e do marido Vitor (Daniel de Oliveira) que a mantivera separada do namorado. Ao mesmo tempo, tramas paralelas, como a de Toni (Marcos Palmeira) e Monique (Letícia Spiller), finalmente começam a dizer a que vieram. Os Dias Eram Assim entrou no eixo.

Leia também:

A Força do Querer acerta ao não “forçar” um núcleo cômico

*As informações e opiniões expressas nessa crítica são de total responsabilidade de seu autor e podem ou não refletir a opinião deste veículo.