Okupas toca rock, mas é puro tango argentino

Atração da Netflix aborda quatro rapazes sem teto e sua vida louca em Buenos Aires

Publicado em 21/8/2021
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Dica de série: se você tiver só uma opção para maratonar, não deixe de ver Okupas, que entrou recentemente no catálogo da Netflix. Totalmente produzida na nossa vizinha, Argentina, mais precisamente em Buenos Aires, a história sobre quatro rapazes abnegados e sem teto que se abrigam num imóvel abandonado (mas nem tanto) no centro da capital portenha é tão bem contada que mal se percebe o passar dos 11 episódios.

Muito já se falou e viu sobre a qualidade do cinema argentino. Sem orçamentos milionários nem produções mirabolantes, os hermanos ao lado conseguem cativar com histórias comuns contadas de um jeito muito atraente. O segredo está sempre no roteiro, invariavelmente muito bem elaborado por escritores que transformam a complicação da vida em situações simples e diálogos diretos. Ninguém fica cinco minutos com a câmera parada filmando uma mesa num filme argentino — ainda que a luz do sol vinda da janela estivesse belíssima!

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Em Okupas, não é diferente. O ponto de partida é o drama pessoal do rapaz loiro e bem nascido que não se encaixa na sua vida burguesa de estudante de medicina e morador do bairro chique de Palermo (uma espécie de Higienópolis de Buenos Aires). Ele tenta viver com a avó quase esclerosada, até que aceita ocupar um imóvel da própria prima, mulher bonita e bem-sucedida.

O ator Rodrigo de La Serna em cena de Okupas. Foto: Reprodução/Netflix

O fato de o protagonista ser Rodrigo de La Serna (o Palermo, da terceira temporada do sucesso La Casa de Papel) no seu início de carreira torna tudo ainda mais atraente. O jovem descobre o deleite de ser um “vida louca” com os amigos no centro da cidade. A dor virá depois.

Tudo é muito cru e real, a sujeira e a quebradeira das locações parecem autênticas, mas as cenas não geram repulsa, apenas mais curiosidade.  Ninguém exalta a pobreza nem estetiza a miséria, que é simplesmente apresentada no melhor estilo a vida como ela é.

Embora seja de 2000, a produção parece atualíssima. Quem visitou Buenos Aires mais recentemente percebe que pouco mudou na cidade – desde os velhos carros de táxi até as construções do centro.   

O personagem de Rodrigo vai atraindo para o seu novo lar os amigos que juntou pelo caminho, todos rapazes perdidos na vida e nos vícios da cidade grande. Ao quarteto, se une um cão vira-lata que os acompanhará por toda a série. A identificação é imediata.

Os embates e relacionamentos com a vizinhança problemática, com a polícia, com novos invasores e também com a criminalidade da metrópole e dos seus arredores vão se desenvolvendo. Há boas cenas da periferia de Buenos Aires, com idas à região de La Boca (onde fica o lendário estádio do Boca Juniors) e até a uma cidade de praia feia.  A série foi originalmente feita para a televisão da Argentina, mas é fácil perceber como ela pode ser muito bem compreendida em qualquer país da América Latina.

O melhor de Okupas é que não há nenhum discurso político adjacente, não se prega uma ação orquestrada, não há projeto de poder. Os dramas pessoais e as pequenas contravenções do dia a dia são tratados na sua individualidade, como é a vida de cada um.

O tom dramático da história, com inevitáveis aspectos cômicos inerentes aos personagens, é entrelaçado por paixões e dores. E,ainda que o rock and roll seja a (boa) trilha sonora da produção – o trabalho exigiu remixagem do som original para esta versão no streaming –, Okupas soa como um autêntico tango argentino.

* As informações e opiniões expressas nessa crítica são de total responsabilidade de sua autora e podem ou não refletir a opinião deste veículo.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Em Alta

Carregando...

Erro ao carregar conteúdo.

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio