Nos Tempos do Imperador concentra ação no vilão Tonico e ressalta talento de Alexandre Nero

Enquanto os heróis ainda aparecem em banho-maria, o malvado apronta todas

Publicado em 25/8/2021
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Os primeiros capítulos de Nos Tempos do Imperador têm servido como uma espécie de prólogo para seus heróis. Os autores Alessandro Marson e Thereza Falcão ainda estabelecem a relação entre Pilar (Gabriela Medvedovski) e Samuel (Michel Gomes), ao mesmo tempo em que exploram o início do amor entre Pedro (Selton Mello) e Luísa (Mariana Ximenes).

Ou seja, nesta primeira fase, os protagonistas ainda estão em banho-maria. Sendo assim, a ação de Nos Tempos do Imperador está concentrada mesmo no principal antagonista, o aspirante a político Tonico Rocha (Alexandre Nero). É ele quem carrega a novela, enquanto os heróis apenas pairam pelos capítulos.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Tonico é um vilão que se coloca como um curinga na novela. É um sujeito tosco, meio bronco e cheio de más intenções, que luta para se tornar deputado. Mas ele não tem bem um plano de ação: o que ele quer é o poder pelo poder, apenas para se dar bem e usar de seu cargo contra os inimigos. Em suma, alguém muito reconhecível, seja no Brasil Império, seja no Brasil contemporâneo.

Nestes primeiros capítulos, Tonico já armou, mentiu, perseguiu e combateu, sempre no intuito de atingir seu objetivo. E o faz com a cara de pau típica dos vilões mais carismáticos. É o tipo que movimenta a trama principal de Nos Tempos do Imperador, colocando-se como um porta-voz das críticas sociais que os autores pretendem passar.

Com tanto destaque, ressalta-se ainda mais o talento de Alexandre Nero. O ator, que já fez muitas novelas e está no ar também em Império, no qual teve uma participação marcante, mostra o quanto é versátil. Tonico em nada lembra o Comendador José Alfredo. Parecem duas pessoas completamente diferentes.

E a tendência é que Tonico mantenha-se sob os holofotes até o fim da obra. Afinal, sabe-se que o rapaz nutre uma rivalidade com Dom Pedro II. Em breve, ele finalmente se tornará deputado, e sua carreira política o levará até o Rio de Janeiro. Ou seja, a saga de Tonico está apenas começando.

*As informações e opiniões expressas nessa crítica são de total responsabilidade de seu autor e podem ou não refletir a opinião deste veículo.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Em Alta

Carregando...

Erro ao carregar conteúdo.

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio