Jornal Nacional acerta com rodízio de apresentadores em seus 50 anos

Publicado há um ano
Por André Santana
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Os jornalistas Lídia Pace, do Rio Grande do Norte, e Mário Motta, de Santa Catarina, encerram neste sábado (30) o rodízio de apresentadores que comemorou os 50 anos do Jornal Nacional. Nos últimos três meses, a Globo levou ao seu principal telejornal apresentadores de emissoras e afiliadas de todo o Brasil, trazendo novos rostos à bancada aos sábados. Mais do que uma maneira simpática de comemorar o aniversário do JN, a ação serviu para mostrar a diversidade e pluralidade do país, traçando um painel nacional dos mais interessantes.

Há 50 anos, o Jornal Nacional nasceu para lançar o conceito de rede. Pela primeira vez, um programa da TV brasileira era mostrado para todo o Brasil (ou quase) ao mesmo tempo, daí seu nome. Foi a partir do Jornal Nacional que começou a nascer uma grade de programação que era exibida em tempo real, no país todo. Além disso, o noticiário permitiu com que os brasileiros começassem a se ver na tela, com informações sobre as mais variadas regiões.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Sendo assim, mostrar os rostos que fazem o jornalismo da Globo por todo o país é uma maneira de valorizar estas importantes praças que fazem o Jornal Nacional. O JN é feito por uma rede de profissionais que vai além do eixo Rio-SP ou Brasília. Mostrá-los também na bancada é exaltar a importância do trabalho que é feito em tantos lugares, por tanta gente, e que resulta num jornal que busca ser plural. Além disso, o jornal também aproveitou a presença destes profissionais para mostrar suas rotinas e, assim, expor a cultura de cada região. Isso enriqueceu o conteúdo do noticioso.

Profissionais

Além disso, o rodízio de apresentadores do Jornal Nacional aos sábados também serviu para mostrar ao Brasil talentos regionais da melhor qualidade. Um exemplo é Márcio Bonfim, de Pernambuco, que caiu nas graças da emissora ao passar pelo JN. Seu desempenho na bancada o levou ao posto de substituto de Tadeu Schmidt no Fantástico. É a primeira vez que um apresentador de afiliada da Globo assume tal posição.

Taís Lopes, do Ceará, também se destacou no JN. Tanto que chamou a atenção da CNN Brasil, que a contratou em seguida. Além disso, o rodízio também deixou a bancada do JN mais diversa, como quando foi ocupada por Matheus Ribeiro, de Goiás, primeiro gay assumido a apresentar o jornal; ou Aline Aguiar, segunda apresentadora negra a passar pelo JN.

Ou seja, a experiência do Jornal Nacional foi muito bem-sucedida, sob vários aspectos. A ação conseguiu reafirmar a importância do noticioso para a televisão brasileira e, de quebra, mostrar aos brasileiros que o país é muito grande, diverso e cheio de grandes profissionais.

*As informações e opiniões expressas nessa crítica são de total responsabilidade de seu autor e podem ou não refletir a opinião deste veículo.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais