Humor simples de Salve-se Quem Puder ganha robustez ao assumir de vez o absurdo

Trama aposta em sequências de humor propositalmente absurdas

Publicado em 23/6/2021
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Apesar do motivo trágico, a pausa de Salve-se Quem Puder acabou fazendo bem à novela. Com mais tempo para trabalhar em seu texto, o autor Daniel Ortiz conseguiu aparar algumas arestas e melhorar a qualidade do humor da trama. É um humor ainda meio “bobinho”, verdade, mas que passou a não se levar muito a sério, o que deu um charme à trama.

A grande sacada desta “parte dois” de Salve-se Quem Puder foi vestir a capa de absurda sem nenhum tipo de constrangimento. A trama das sete da Globo assumiu de um tom meio surreal, o que lhe conferiu mais substância.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Isso fica claro a partir do momento em que Luna (Juliana Paiva), Alexia (Deborah Secco) e Kyra (Vitória Strada) decidem investigar por elas mesmas os crimes de Dominique (Guilhermina Guinle). Para isso, elas fazem referências explícitas a As Panteras, e texto e direção a colocam como se tivessem tirando sarro de si mesmas. Com isso, o que poderia ser constrangedor acaba se tornando simpático.

Outra cena que ilustra bem esta pegada mais surreal é a sequência em que Dominique quase flagra o trio, que buscava provas contra ela. Para que a vilã não visse as três meninas, Ermelinda (Grace Gianoukas) age como uma vendedora ambulante em pleno corredor de um prédio, oferecendo seus produtos à vilã para ganhar tempo. E Dominique a responde, como se realmente fosse possível uma vendedora ambulante estar perambulando no corredor do prédio. A cena ficou verdadeiramente engraçada.

Evolução

Novo nome festejado do horário das sete, Daniel Ortiz acabou marcado por comédias românticas açucaradas e despretensiosas, como Alto Astral (2014) e Haja Coração (2016). Salve-se Quem Puder segue a mesma linha, mas conseguiu mostrar uma evolução se comparadas às suas antecessoras.

Ao rir de si mesma, Salve-se Quem Puder ganha em musculatura e inteligência. Ainda não se compara ao texto aloprado de um Carlos Lombardi, mas pode ser o início de uma fase menos infantiloide no horário das sete da Globo.

*As informações e opiniões expressas nessa crítica são de total responsabilidade de seu autor e podem ou não refletir a opinião deste veículo.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio