Globo retoma “feijão com arroz” com Flor do Caribe

Na trama, Walther Negrão revisita vários elementos de suas obras anteriores

Publicado há 2 meses
Por André Santana
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Sai a ambientação pesada do Brasil Império de Novo Mundo, entra o visual paradisíaco do Nordeste Brasileiro de Flor do Caribe. Obrigada a recorrer a uma nova reprise, em razão da paralisação das gravações de Nos Tempos do Imperador, a direção da Globo optou por ir na direção oposta e oferecer ao público um arroz com feijão bem temperado.

Exibida originalmente em 2013, Flor do Caribe parece uma reverência de Walther Negrão à sua própria obra, já que a trama reúne vários dos ingredientes que consagraram o veterano autor. A proposta da trama é justamente retomar o clima praiano contemplativo de Tropicaliente, um sucesso mundial do autor.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Além disso, há várias figuras elementares da galeria de Negrão, como o vilão obcecado pela mocinha. Aqui, o posto é ocupado por Alberto (Igor Rickli), que se faz de amigo de Cassiano (Henri Castelli), mas é apaixonado pela namorada dele, Ester (Grazi Massafera). Para separá-los, ele será capaz de uma armação que levará o mocinho a ficar preso no Caribe, trabalhando como escravo numa mina.

Enquanto isso, ele é dado como desaparecido no Brasil, e Alberto aproveita a chance para seduzir Ester. Mas, sete anos depois, Cassiano retorna, e encontra sua amada casada com o vilão, e criando com ele o seu filho.

Trata-se de uma premissa que lembra demais Vila Madalena, incursão de Negrão ao horário das sete em 1999. Na trama, o vilão Arthur (Herson Capri) arma para prender Solano (Edson Celulari) injustamente, com o objetivo de ficar com Eugênia (Maitê Proença). O mocinho passa sete anos na cadeia e, quando sai, encontra a ex casada com o malvado.

Bem temperado

Embora não traga nada de novo, Flor do Caribe tem uma estrutura folhetinesca muito bem armada, com personagens bem construídos e tramas bem amarradas. A direção de Jayme Monjardim, que privilegia a fotografia, transforma o ambiente praiano nordestino num espetáculo visual.

Além disso, embora narre um típico romance das seis, Flor do Caribe tenta algum aprofundamento com a abordagem do nazismo. Dionísio (Sérgio Mamberti), o avô de Alberto, era um antigo oficial do nazista, e que foi responsável por prender a família do judeu Samuel (Juca de Oliveira), pai de Ester, num campo de concentração.

A rivalidade entre Dionísio e Samuel é um dos pontos altos da história, e que rende bons momentos. O encontro dos veteranos Sérgio Mamberti e Juca de Oliveira em cena se revelou muito feliz.

Mas, no geral, Flor do Caribe é uma trama leve, simples, e que deve agradar novamente a audiência do horário. A novela pode ser uma boa sala de espera para Nos Tempos do Imperador.

*As informações e opiniões expressas nessa crítica são de total responsabilidade de seu autor e podem ou não refletir a opinião deste veículo.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais