Final feliz justifica nova versão de Éramos Seis

A autora Ângela Chaves acertou no tom otimista de sua trama

Publicado há 10 meses
Por André Santana
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Como justificar refazer uma história já contada outras quatro vezes na TV? Este era o desafio de Éramos Seis, versão de Ângela Chaves baseada em texto de Silvio de Abreu e Rubens Ewald Filho, que adaptaram o romance de Maria José Dupré. Pois a versão da Globo não apenas foi bem-sucedida em recontar esta saga familiar tão magnética, como também deu um merecido final feliz a personagens que não tiveram essa sorte nas novelas anteriores.

A dona Lola de Gloria Pires personificou bem o espírito deste remake. Ao contrário das Lolas anteriores, esta surgiu mais atualizada. Dentro de seu contexto histórico, é verdade, mas menos submissa e mais contestadora. E não apenas o texto, mas a excepcional interpretação da atriz, conseguiram encontrar o equilíbrio destas características, fazendo com que ela não soasse anacrônica. O resultado superou as expectativas.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Com isso, Gloria Pires se mostrou a escolha natural para esta personagem tão importante. Isso porque Lola é uma personagem muito simples e humana. Seus sentimentos são contidos, exteriorizados por olhares sutis. Ou seja, um prato cheio para uma atriz minimalista como Gloria. De quebra, Éramos Seis fez com que a atriz fizesse as pazes com o folhetim, depois de personagens pouco desafiadores em seus últimos trabalhos. Foi uma volta por cima.

Finais felizes

Justamente por fazer uma Lola tão apaixonante e terna, Gloria Pires levou Lola a um novo lugar. E o público correspondeu positivamente, ao torcer por um inédito final feliz para a dona de casa. Vale lembrar que, nas versões anteriores, Lola terminava seus dias já idosa e sozinha, num quartinho em um pensionato de freiras, relembrando seu passado com os filhos e o marido. Desta vez, ela mereceu um novo amor, Afonso (Cassio Gabus Mendes) e os filhos por perto.

Mas a versão 2020 de Éramos Seis também reservou alegrias para personagens como Clotilde (Simone Spoladore) e tia Emília (Susana Vieira), dois dos destaques desta nova montagem. Com isso, Ângela Chaves transformou a saga familiar de Éramos Seis numa história capaz de renovar as esperanças do público. Num momento como este, nada mais oportuno.

Lolas

Em meio a tantos acertos, Éramos Seis ainda ofereceu um momento muito especial aos noveleiros. Nada menos que o encontro entre Gloria Pires, Irene Ravache (a Lola do SBT) e Nicette Bruno (a Lola da Tupi). Numa sequência simpática e cheia de afeto, as intérpretes desta antológica personagem deram às bênçãos. É bom quando a Globo se curva, no bom sentido, nos sucessos de seus concorrentes. Afinal, as homenagens à versão do SBT também se estenderam às participações de Marcos Caruso, Luciana Braga, Wagner Santistebam e Othon Bastos. Merecido.

Por conta disso, o saldo é positivo. Ângela Chaves deu uma nova visão ao romance de Maria José Dupré e mostrou um texto delicado e cheio de qualidades. A direção e o elenco também corresponderam. Em suma, uma adaptação vitoriosa.

*As informações e opiniões expressas nessa crítica são de total responsabilidade de seu autor e podem ou não refletir a opinião deste veículo. 

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio