Mais do que você gosta.
Assine o Star+
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
quem é

Entretenimento puro e simples, The Masked Singer Brasil cumpriu sua missão com louvor

Atração deu uma boa chacoalhada na programação da Globo

Publicado em 19/10/2021
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio

Encerrando sua primeira temporada, The Masked Singer Brasil se mostrou uma aposta certeira da Globo. Sem nenhum grande artifício, o programa foi uma brincadeira pura e simples e, com isso, cativou o público. O jogo despretensioso comandado por Ivete Sangalo foi dono de uma trajetória vitoriosa, em vários sentidos.

O maior dos méritos de The Masked Singer foi seu poder de mobilização. A plateia embarcou na proposta, a princípio um tanto cafona e despropositada, e realmente comprou a ideia do jogo. Descobrir quem estava por trás das fantasias de Brigadeiro, Jacaré, Onça Pintada e Coqueiro se tornou uma verdadeira missão para os espectadores, que discutiram as pistas nas redes sociais.

Continua depois da publicidade
Não foi possível carregar anúncio

Isso gerou um burburinho interessante, que poucos programas da linha de shows da Globo alcançam. Com exceção do BBB, os programas de entretenimento da emissora, salvo raras exceções, não geram tanto buzz. Ou seja, The Masked Singer se destacou num terreno não muito fértil para grandes sucessos.

Com isso, deu à linha de shows da emissora um ar de novidade. Há anos refém dos mesmos formatos e séries, os shows da Globo careciam de algo mais fresco. O The Masked Singer, portanto, foi uma injeção de ânimo na programação da emissora.

Além disso, o programa também mostrou que Ivete Sangalo pode, sim, ser uma boa animadora. Cheia de carisma e com ótimas sacadas, a cantora tem jeito diante de uma plateia. A Globo acertará se realmente aumentar o espaço de Ivete na programação. É um nome que virá suprir a ausência de uma figura feminina nos programas de auditório do canal.

O quarteto de jurados também funcionou. Rodrigo Lombardi, Taís Araújo, Simone e Eduardo Sterblich pareciam até uma mistura estranha, mas o encontro deu “liga”. Soou como uma bagunça organizada, que combinou bem com o clima despretensioso da competição.

The Masked Singer Brasil, então, foi uma bobagem divertida, que ofereceu bons momentos de entretenimento descompromissado nas noites da Globo. Um indicativo de que não é preciso nada muito mirabolante para divertir o espectador.

*As informações e opiniões expressas nessa crítica são de total responsabilidade de seu autor e podem ou não refletir a opinião deste veículo.

Publicidade
Não foi possível carregar anúncio

Deixe o seu comentário

Em Alta

Carregando...

Erro ao carregar conteúdo.

Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Publicidade
Posting....