Embate de vilãs: Jô perde força e Fabiana cresce em A Dona do Pedaço

Publicado há um ano
Por André Santana
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Os mais recentes capítulos de A Dona do Pedaço exploraram a rivalidade entre as duas vilãs da novela de Walcyr Carrasco. Jô (Agatha Moreira) deu um golpe na própria mãe, Maria da Paz (Juliana Paes), mas, agora, enfrenta a ambição da ex-freira Fabiana (Nathalia Dill). Este duelo entre as duas figuras do mal, embora interessante para manter a temperatura da trama das nove da Globo, evidencia algumas falhas na construção das personagens.

Josiane é o caso mais emblemático. Além de suas motivações nunca terem ficado claras, a vilã parece mudar de personalidade ao sabor dos acontecimentos. Afinal, a malvada demonstrou esperteza ao arquitetar um plano para roubar a própria mãe. Depois, mostrou sangue frio ao eliminar duas testemunhas de suas armações. Mas agora, ao enfrentar Fabiana, Jô se mostra muito pouco inteligente.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Se para ela foi tão fácil assassinar Jardel (Duio Botta) e Lucas (Kainan Ferraz), por que Jô se submeteu às chantagens de Fabiana sem titubear? Ela demorou muito tempo para considerar assassinar a noviça. Além disso, ela caiu muito fácil na armação de Maria da Paz e seus amigos, quando resolveu investir seu dinheiro e perdeu tudo. Ou seja, Jô se mostrou esperta apenas em seu primeiro grande golpe. Depois, foi “emburrecendo”.

Ascensão de Fabiana

Com as mancadas de Jô, Fabiana desponta como a grande vilã de A Dona do Pedaço. Com uma inteligência fora do comum para alguém que foi criada num convento, Fabiana praticou maldades periféricas ao longo da novela. Mas, neste momento em que a freira assumiu o comando da Bolos da Paz, a malvada agora bate de frente com a heroína da história, Maria da Paz.

Fabiana tem algumas falhas, é claro. Afinal, para quem cresceu trancafiada num convento, a jovem tem bastante preparo e visão empresarial. Um talento nato! Mesmo assim, ela se mostra uma vilã bem mais eficiente. Além, claro, de ser um curinga na obra. O fato de ela ser a sobrinha perdida de Maria da Paz vem sendo guardado para o fim da trama, e não por acaso. É mais um ponto para uma daquelas reviravoltas que Walcyr Carrasco tanto gosta.

Enquanto isso, Jô fica cada vez mais apagada e inconsistente. Está claro que a vilã não aconteceu como era previsto.

*As informações e opiniões expressas nessa crítica são de total responsabilidade de seu autor e podem ou não refletir a opinião deste veículo.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais