Em dia tenebroso, elos mais fracos do SBT pagam pelas irresponsabilidades de seu dono

Publicado há um ano
Por Gabriel Vaquer
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

É bom deixar bem claro antes de começar: este texto é muito mais que uma opinião de um mero repórter. É algo que senti e ouvi de diversos funcionários do SBT com quem conversei. E garanto também: não foram poucos. O clima é de uma tristeza só porque se sabe: não vai parar agora. 

Se em tempos de outrora Silvio Santos era quase que uma divindade entre seus funcionários, talvez nunca antes na história de sua emissora ele esteja sendo tão questionado. As demissões que ocorreram nesta quinta (17) e ainda vão acontecer nos próximos dias são o sinal de que “a conta dos anos de loucura” chegaram de forma forte e contundente. É mais que apenas a crise que vive o Brasil.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Somente nos últimos anos, Silvio Santos adquiriu coisas tenebrosas como A Rosa dos Milagres, Alarma TV, Caso Encerrado e manteve muita gente que não é usada em contrato. Aqui, podemos citar nomes como Carlinhos Aguiar, Hellen Ganzarolli, Décio Piccinini, entre outras figuras conhecidas.

A raiva maior dos funcionários é que o SBT, em alguns momentos, parece repartição pública. Muito cabide de emprego e poucos investimentos em coisas básicas. Ouvi mais de uma vez que os computadores usados na redação e em emissoras locais, como Brasília e Rio de Janeiro, são extremamente antiquados para o ano de 2019.

Também é reclamado de que a situação da emissora já vem feia de algum tempo. Não existe investimento, existe corte. Corte atrás de corte. E as demissões dessa sexta-feira irão se somar a demissões que já estão sendo planejadas para a próxima segunda-feira (18).

Silvio Santos é um gênio como apresentador, mas ultrapassado como gestor

Todos concordam que Silvio Santos é um grande apresentador. Mas sua emissora e seu Grupo caíram no grande problema de toda emissora familiar: a falta de profissionalização e modernização do comando. O SBT, por exemplo, ainda não investe em coisas básicas e prefere um modelo antigo de TV do que tendências atuais, como Jornalismo e eventos ao vivo.

Investir em tantos enlatados e programas de gosto duvidoso. Enquanto a emissora definha por dentro e em coisas básicas. Este é o atual SBT. E será assim por um longo tempo. Só deve mudar quando aquilo que todos nós não queremos aconteça, infelizmente.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais