Com menos sequências grandiosas, Gênesis entra em fase de marasmo

Momentos mais impactantes, que chamam a atenção, já passaram

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Um dos artifícios usados pela direção da Record TV para chamar a atenção do público para suas tramas bíblicas são as grandes sequências, ou seja, cenas de momentos marcantes da Bíblia, que são reproduzidas de maneira grandiosa. A luta contra o leão em Sansão e Dalila (2011), ou a abertura do Mar Vermelho, em Os Dez Mandamentos (2015), são exemplos.

A atual produção do segmento, Gênesis, também surfou nesta onda. A trama estreou em alta ao apostar em grandes cenas, lotadas de efeitos especiais e capaz de encher os olhos da audiência. A primeira fase, Éden, chamou a atenção já em seu início, com as sequências da criação do mundo.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Depois, em Dilúvio, foram várias as sequências impactantes. A Terra tomada pela água, a reunião dos animais e todos os apuros enfrentados por Noé (Oscar Magrini) também renderam cenas marcantes. A terceira fase, Torre de Babel, também contou com momentos grandiosos ao mostrar a construção da torre que queria alcançar os céus.

Eis que chegamos à quarta fase, Ur dos Caldeus. Nesta nova etapa, Gênesis perdeu um pouco o seu trunfo, ao não ter tantos momentos de virada quanto nas demais fases da produção. A história de Terá (Angelo Paes Leme/Julio Braga) e Amat (Branca Messina/Regina Sampaio) abaixa o tom da produção, com uma trama menos “pirotécnica”. E, consequentemente, passa a impressão de marasmo.

Limitações

Na verdade, na fase atual, Gênesis entra num período que outras novelas bíblicas da Record enfrentaram. Como os textos bíblicos trazem uma narração sem grandes detalhes, levá-los para a TV com formato de novela exige uma grande criatividade dos autores. É preciso criar novas narrativas e preencher lacunas do Livro Sagrado.

Com isso, quase sempre, as novelas bíblicas costumam andar em banho maria, até chegar ao momento “apoteótico”, que é quando entram as grandes sequências. Ou seja, a novela se desenvolve a conta gotas, como se esperasse o grande momento.

Neste contexto, Gênesis pode ter um problema. Afinal, as principais e mais aguardadas cenas da trama já foram ao ar, nas primeiras fases. Sem maiores viradas previstas, as fases posteriores devem passar de modo mais plácido.

*As informações e opiniões expressas nessa crítica são de total responsabilidade de seu autor e podem ou não refletir a opinião deste veículo.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio