Carlos Bertolazzi é a cereja do bolo do Fábrica de Casamentos

Publicado em 13/06/2017

Quando Carlos Bertolazzi deixou o comando do Hell’s Kitchen: Cozinha sob Pressão (SBT), juro que fiquei desapontado. Mas com o passar do tempo, percebi que ele fez a escolha certa. Isso fica nítido em sua nova missão, o já exitoso Fábrica de Casamentos, em que divide a apresentação com a competentíssima Chris Flores. A parceria entre os dois deu liga. Não é atoa que a atração tem deixado a Record TV comendo poeira em relação ao Ibope.

Aquela imagem que o público tinha do famoso chef, foi desfeita nessa atração. Saiu o durão Bertolazzi e entrou o doce e amigo, que se emociona sempre com as histórias dos casais que procuram a atração para realizar o grande sonho, no caso, o matrimônio.

Leia também: Chris Flores é uma apresentadora em plena evolução

No ar, a gente percebe que Carlos é ele mesmo. Não tem máscaras. Isso fica nítido no vídeo. E, aqui entre nós, em seu olhar a gente vê que ele ama o que faz. Não está ali por obrigação, e, sim, por amor a arte. Arte essa de entreter o público.

Sua parceria com a jornalista Chris Flores é sólida. Ela sabe como ninguém conduzir uma atração desse tipo. Com o tempo, ela se tornou uma comunicadora nata. Ela fala com o olhar. E, isso é bárbaro. Não conversa com a câmera que está em sua frente. Mas com o público. Conheço vários apresentadores que são escravos do teleprômpter. Não é o caso de Flores.

Costumo dizer que poderoso é quem tem dinheiro. E, líder nasce para liderar. Líder é líder e ponto final. Carlos e Chris lideram como ninguém. Por isso a atração fluiu. O carisma dos dois também conta no resultado final. Enfim.. Que venha a segunda temporada de Fábrica de Casamentos, o público precisa de programas dessa magnitude no fim de semana. O espectador está cheio de programas que se ‘sustentam’ na desgraça alheia. Uma atração desse tipo entrega o que o público almeja: o entretenimento.

*As informações e opiniões expressas nessa crítica são de total responsabilidade de seu autor e podem ou não refletir a opinião deste veículo.