Carla Diaz brilha em dois filmes e reverte tropeço com o BBB 21

Ao interpretar Suzane von Richthofen nas duas produções para o Prime Video, ela dá volta por cima e convence como vilã

Publicado em 30/09/2021 12:36
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carla Diaz está muito bem no papel de Suzane von Richthofen nos dois filmes que reconstroem a história do crime que abalou São Paulo no início dos anos 2000.

Numa atuação muito convincente, pode-se dizer que o desempenho da atriz é a melhor coisa dos dois filmes de longa-metragem que estão sendo lançados simultaneamente: A Menina Que Matou os Pais e O Menino Que Matou Meus Pais, no catálogo do Amazon Prime Video.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Mais: ela consegue reverter com o bom desempenho o passo errado que deu na sua imagem e carreira ao participar do BBB 21, onde jamais deveria ter entrado.

Lembremos que Carla Diaz já tinha encerrado as filmagens quando ingressou no BBB 21, exibido entre janeiro e maio deste ano.

Com este papel nos longas-metragens em cartaz no serviço de streaming de vídeo, ainda que seja como vilã, a atriz realimenta a admiração do seu fã-clube, conquistada ao longo de muitos anos por meio de papéis marcantes.

Éramos Seis, Chiquititas, Laços de Família, O Clone, A Casa das Sete Mulheres, Mutantes – Promessa de Amor, Rebelde, Milagres de Jesus, A Terra Prometida e A Força do Querer são algumas das obras onde ela atuou, só para citar alguns trabalhos feitos por Carla Diaz para a televisão.

Dois filmes, um crime

Os dois filmes do Amazon Prime Video vão na linha dos true crimes, produções baseadas em crimes reais.

É um gênero de grande repercussão e audiência, geralmente feitos sem muita elaboração estética e artística.

Porém, contam com garantia de público em decorrência de abordarem casos famosos.

O roteiro debruçou-se nos autos do processo do assassinato de Marísia e Manfred von Richthofen, pais de Suzana von Richthofen.

Utilizam-se dos depoimentos dados pelos réus confessos ao longo do processo e no tribunal, diante do juiz e dos jurados.

O crime, ocorrido em 2002 num bairro de classe alta na zona sul paulistana, mobilizou o País, principalmente quando apareceram como réus a filha do casal, seu namorado, Daniel Cravinhos e o irmão dele, Cristian.

Os dois filmes reconstroem a relação do casal de namorados e, a partir das versões de ambos, dá uma ideia de como era toda a relação familiar de Suzane von Richthofen até o dia do crime brutal.

A Suzane von Richthofen vivida por Carla Diaz é a figura central em ambos os filmes.

Carla Diaz fez um grande trabalho de expressão facial.

Incorpora até mesmo o olhar distante e vazio que nos acostumamos a ver em Suzane, ao longo de tantas reportagens, até mesmo na entrevista dada por ela ao Fantástico, antes de ser condenada.

Privilegiada pelo seu tipo físico mignon e por um aspecto juvenil, a atriz já balzaquiana está totalmente à vontade como a jovem estudante prestes a completar 18 anos e que ainda vai entrar na faculdade.

Narrativas

Foram quatro anos, desde a prisão de Suzane, Daniel e Cristian, até o julgamento, que culminou com a condenação dos três a penas superiores a 38 anos de reclusão.

É da relação com o namorado Daniel, interpretado com competência por Leonardo Bittencourt, que vem a diferença das narrativas.

No papel de Daniel Cravinhos, Leonardo Bittencourt abre para si mais portas para bons papéis no cinema e nas séries, unindo-se aos bons de sua geração, como Gabriel Leone e Chay Suede.

Ele já tinha chamado atenção ao viver o Hugo Rabelo de Malhação: Vidas Brasileiras, e também atuou em Segunda Chamada (2019).

Os roteiristas seguiram à risca as informações oficiais e os filmes acabaram sendo reconstruções detalhadas de todas as circunstâncias que envolveram o crime.   

Leonardo Bittencourt e Carla Diaz são Daniel Cravinhos e Suzana von Richthofen em A Menina Que Matou Os Pais. Foto: Stella Carvalho/Divulgação

A Menina Que Matou os Pais

A Menina Que Matou os Pais é a versão contada por Daniel Cravinhos.

Este filme privilegia o lado familiar de Daniel e busca justificar o crime pela influência exercida pela então amada Suzane, por quem se dizia manipulado.

A influência seria tamanha que Daniel também convenceu o irmão Cristian a participar do ato criminoso de modo a salvarem a namorada de pais tão cruéis.

Em determinados momentos, Daniel também sugere que Suzane sofria abusos de ordem sexual por parte do pai, algo que não se vê no outro filme.  

O Menino que Matou Meus Pais

Já na outra versão, O Menino que Matou Meus Pais, o filme é conduzido pela versão de Suzane von Richthofen.

Temos o retrato da moça ingênua e apaixonada que perdeu a virgindade com o namorado, conheceu as drogas e com ele se afundou no plano macabro.

Ele a explorava financeiramente e ela foi induzida à facilitação do crime para enfrentar a família que era contra seu relacionamento amoroso e humilhava o seu amado.

Aqui, Carla Diaz mergulha no papel da moça carente e menina de família que é levada ao mau caminho por causa das más companhias e das drogas ilícitas.

Ambos os filmes foram dirigidos por Maurício Eça.

A encenação da Família Richthofen com Daniel Cravinhos em A Menina Que Matou Os Pais. Foto: Stella Carvalho/Divulgação

O filme com a versão Daniel tem um maior detalhamento na cena fatídica do crime, quando o casal foi assassinado a sangue frio com pancadas enquanto dormia.

No que diz respeito à produção, tem-se uma caracterização toda realista.

O roteiro é da dupla Ilana Casoy e Raphael Montes.

São os mesmos que trabalharam para Bom Dia, Verônica, premiado pela APCA – Associação Paulista dos Críticos de Artes.

Repete-se o mesmo elenco nos dois filmes: Vera Zimmermann (Marísia von Richthofen), Kauan Ceglio (Andreas von Richthofen), Allan Souza Lima (Cristian Cravinhos), Leonardo Medeiros (Manfred von Richthofen), Débora Duboc (Nadja Cravinhos) e Augusto Madeira (Astrogildo Cravinhos) entre os personagens principais.

** Informações e opiniões expressas nessa crítica são de total responsabilidade de sua autora e podem ou não refletir a opinião deste veículo.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Em Alta

Carregando...

Erro ao carregar conteúdo.

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio