Aposta tardia da Globo, Mestre do Sabor não aconteceu

Publicado há 9 meses
Por André Santana
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A vitória de Gabriel Coelho na noite desta quinta-feira (26) encerrou a primeira temporada de Mestre do Sabor na Globo. A competição culinária começou celebrada, por se tratar de um formato original da emissora. Mas chega ao fim apático, sem ter empolgado o público de fato. A estreia tardia, falhas no formato e um apresentador que dividiu opiniões ajudam a explicar o parco desempenho.

O principal “inimigo” de Mestre do Sabor foi justamente a perda do “timing” por parte da Globo. A emissora não soube enxergar antes a força dos realities de culinária, que começavam a virar mania pelo mundo, relegando o formato a quadros (bem-sucedidos, diga-se) do Mais Você. Enquanto isso, Band, SBT e Record TV corriam para lançar suas próprias versões do talent show de cozinha em horário nobre. Assim, o público brasileiro se viu diante de uma enxurrada de competições do segmento. Quando a Globo finalmente decidiu fazer sua própria competição, o formato não só não é mais novidade, como começa a dar sinais de cansaço.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Além disso, por mais que Mestre do Sabor tenha suas qualidades, há detalhes no formato que não funcionaram. A direção da atração optou por fazer da competição um grande game de auditório, priorizando bastante a ação no palco. Isso deu um diferencial, mas também prejudicou o programa. Isso porque a edição acabou não valorizando as histórias dos participantes, o que poderia levar o público a se envolver e torcer. Assim, tudo acabou ficando meio distante, o que afastou a audiência.

Claude Troisgros

A escolha de Claude Troisgros para comandar Mestre do Sabor também pode ter prejudicado a atração. Não que Claude não tenha condições para isso: é uma figura do métier, bastante conhecido e respeitado, além de ser carismático ter um traquejo evidente diante das câmeras. Porém, por mais que Claude tenha seu espaço, tanto na culinária quanto na TV, é fato que o chef ainda não era uma figura conhecida por toda a massa que forma a audiência da TV aberta.

Além disso, o sotaque francês carregado também pode ter afastado parte do público. O espectador gosta de um sotaque francês, e o sucesso de Erick Jacquin no MasterChef prova isso. Mas Jacquin não é a figura central do MasterChef. E só se tornou protagonista de um programa, o Pesadelo na Cozinha, quando já era mais conhecido. Em suma, teria sido uma escolha menos arriscada um apresentador de carreira, e não um chef, para comandar o programa.

Mesmo assim, a Globo deve apostar novamente no Mestre do Sabor em 2020. A emissora devia, então, promover ajustes na fórmula para tentar fazer o público se envolver mais com a competição. É um bom formato, mas carece de alguma modificação.

*As informações e opiniões expressas nessa crítica são de total responsabilidade de seu autor e podem ou não refletir a opinião deste veículo.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais