Ao “substituir” Fofocalizando por Triturando, SBT troca seis por meia dúzia

SBT promove mudança cosmética no problemático vespertino

Publicado há 22 dias
Por André Santana
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Em plena sexta-feira, o SBT lança seu novo programa vespertino. Ou melhor, promove uma nova “pseudomudança” em seu velho programa de fofocas. Por determinação de Silvio Santos, Fofocalizando se tornou Triturando. Um dos quadros da atração se tornou o programa todo, com Chris Flores, Mara Maravilha, Gabriel Cartolano e Lívia Andrade opinando sobre assuntos diversos e “triturando” notícias, personalidades ou fatos que não gostam ou não concordam.

Foi uma mudança para inglês ver. Na prática, Fofocalizando não mudou nada. Afinal, o programa de fofocas não contava com notícias exclusivas desde que Fábia Oliveira, jornalista que substituiria Leo Dias, foi dispensada. Assim, sem conteúdo inédito, o vespertino se valia de comentar notícias de internet e informações que já haviam sido dadas.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Ou seja, ao “transformar” Fofocalizando em Triturando, o SBT apenas assume que o programa não tem a pretensão de trazer novidades. O que vale são os comentários e opiniões de seus apresentadores. Porém, apesar da proposta mais honesta, a mudança foi para pior. Enquanto era Fofocalizando, havia a esperança de que, em algum momento, o programa voltasse a investir em conteúdo. Agora que é Triturando, o programa não tem mais esse compromisso. É um prato requentado e pouco criativo.

Estreia com altos e baixos

Nesta “estreia”, chamou a atenção o fato de os apresentadores estarem bem à vontade para expressarem suas opiniões. Chris Flores roubou a cena ao fazer uma crítica bastante contundente (e sem perder a elegância de sempre, diga-se) à Regina Duarte, por conta de sua desastrosa entrevista à CNN Brasil. “Eu quero te agradecer por esta entrevista. Porque finalmente eu conheci quem é Regina Duarte”, disparou. Numa emissora assumidamente pró-governo, uma opinião como esta causa surpresa.

Porém, no geral, Triturando teve uma estreia morna. O programa ganhou mais tempo no ar e preencheu o tempo do Casos de Família, que não foi exibido. Assim, mais longo, acabou ficando cansativo. O quadro em que os apresentadores devem triturar ou não músicas antigas (como Inezita Barroso ou Mazzaropi) pareceu um convite para mudar de canal.

Seria o fim?

Como se sabe, o vespertino foi criado por Silvio Santos em 2016 para tentar conter o Hora da Venenosa, da Record TV. De lá para cá, a atração já se chamou Fofocando, Fofocalizando e, agora, Triturando. Já ganhou e perdeu apresentadores, já mudou de horário (chegando a ser exibido pela manhã), trocou e destrocou diretor e testou uma série de quadros variados. Mas o dono do SBT sempre pareceu insatisfeito e não cansa de propor novidades para o programa.

Há uma “lenda” que diz que quando Silvio Santos começa a mexer demais num programa, é sinal de que ele está com os dias contados. Por isso, com as inúmeras mudanças que aconteceram entre o antigo Fofocando e o atual Triturando, esperava-se que a atração saísse do ar há tempos. Ou seja, lá se vão quatro anos de tentativas e erros. Até quando irá a paciência do “patrão”? Seria essa a mudança definitiva? Aguardemos os próximos capítulos desta “novela da tarde” do SBT.

As opiniões do texto não representam a opinião do site e são de responsabilidade de seu autor.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais