Adnight retorna mais divertido, mas ainda peca pela falta de foco

Publicado há 3 anos
Por André Santana
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Na noite de ontem (26), a Globo lançou a segunda temporada de Adnight, programa de Marcelo Adnet. Agora rebatizado de Adnight Show, a atração veio com uma nova proposta, na tentativa de apagar a má impressão da primeira leva, exibida no ano passado e que pecou pelo excesso de “improviso ensaiado”.

Adnight Show é bem diferente do Adnight. Agora, não há um convidado que passa por tudo quanto é tipo de situação no palco. Desta vez, Marcelo Adnet surge ao lado de vários convidados, com os quais conversa no palco e, também, atua com eles em diferentes esquetes. Renato Góes, Fernanda Gentil e Joelma foram as atrações do primeiro episódio.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Sem dúvidas, Adnight Show melhorou muito com relação ao ano passado. Com os esquetes, saem de cena os “improvisos ensaiados” para entrarem cenas assumidamente roteirizadas, o que ajuda a imprimir credibilidade ao programa. E o texto das cenas, no geral, veio bem inspirado. A primeira cena divertiu ao mostrar Adnet praticamente se redimindo da temporada anterior, buscando novas ideias com um “gênio”. Já a cena “Os Dias Continuam Assim” fez uma oportuna crítica ao retrocesso social e político ao qual passamos, tendo como mote uma sátira à “supersérie” Os Dias Eram Assim.

Já no palco, os convidados tiveram conversas rápidas e sem muita profundidade com Adnet. Tiveram uma participação mais efetiva num game, apresentado por Adnet numa boa imitação de Temer, e a atriz Mila Ribeiro, perfeita vivendo Dilma Rousseff. Foi um momento divertido, mas os convidados apenas riram, sem tanta interação com os “presidentes”.

Em suma, Adnight Show teve momentos realmente divertidos. Mas ainda parece um programa um tanto “perdido”. Sem foco, ele atira para todas as direções: é programa de auditório, é programa de humor, de esquetes, mas, ao mesmo tempo, não se deixa aprofundar por nenhuma destas porções. Não que não possa haver um formato híbrido, mas ficou faltando uma proposta um pouco mais clara. Como está nesta estreia, fica a impressão de que o programa é um grande “vale tudo”. É divertido, mas não genial, como o Tá no Ar, por exemplo. Fora que o cenário parece uma reciclagem do Amor & Sexo, não?

Volta do Vídeo Game é uma boa notícia, mas Angélica merece um novo programa

*As informações e opiniões expressas nessa crítica são de total responsabilidade de seu autor e podem ou não refletir a opinião deste veículo.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio