A Noite É Nossa não cumpre promessa de resgatar programas clássicos de auditório

Atração de Geraldo Luís parece uma reedição do Programa do Gugu

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Ao anunciar a estreia de A Noite É Nossa, seu programa das noites de quarta-feira, o apresentador Geraldo Luís prometeu fazer uma grande homenagem aos programas de auditório das décadas de 1970, 1980 e 1990. Mas, passado um mês da estreia, já é possível afirmar que o animador não conseguiu cumprir a promessa.

Afinal, os programas de auditório destas décadas eram verdadeiros shows de variedades. Nomes como Flavio Cavalcanti, Bolinha, Chacrinha e Silvio Santos, expoentes deste gênero, apresentavam games, musicais, sorteios, apresentações e concursos para uma fervorosa plateia.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

O clima quente e de “vale tudo” imperava neste tipo de atração, que perdeu força na última década em função da proliferação de formatos importados que passou a ser a nova realidade da TV brasileira. Além disso, a figura do animador, que era o dono do espetáculo, arrefeceu. Antes, o nome do apresentador era maior do que o programa. Hoje não é bem assim.

Ou seja, para A Noite É Nossa conseguir cumprir a promessa, seria necessário aumentar a temperatura no palco. O espaço no estúdio, além de promover aglomeração desnecessária, pouco é usado para o andamento do programa. Até porque as matérias externas são uma marca de Geraldo Luís desde que ele se tornou apresentador da Record TV. Assim, na prática, A Noite É Nossa não é bem um programa de auditório.

Semelhança com Gugu

Na verdade, A Noite É Nossa lembra demais um outro programa que a Record exibiu nas noites de quarta-feira: Gugu. Última versão do programa de Gugu Liberato (1959 – 2019) antes de passar a apresentar formatos, o programa Gugu, exibido de 2015 a 2017, também era um programa de auditório que pouco acrescentava ao gênero.

As principais atrações do programa Gugu eram as entrevistas externas, no qual o saudoso animador conversava com artistas sobre assuntos polêmicos. A atração também investia em outras matérias externas, feitas pelo próprio apresentador e por uma equipe de reportagem. No palco, Gugu apenas anunciava as matérias, fazia merchandising e apresentava uma ou outra pauta de curiosidade.

O próprio Geraldo Luís também fazia algo parecido em seu programa anterior, o Domingo Show. A diferença é que A Noite É Nossa tem um tom mais alegre que o extinto dominical, que costumava abusar de histórias chorosas. Mas o formato em si não muda muito.

Ou seja, A Noite É Nossa ainda não conseguiu cumprir sua principal missão, que era de resgatar o clima dos clássicos auditórios. O que mostra que a TV brasileira perdeu a mão de vez neste tipo de programa. Já é um formato praticamente extinto.

*As informações e opiniões expressas nessa crítica são de total responsabilidade de seu autor e podem ou não refletir a opinião deste veículo.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio