Avenida Brasil de volta: a Globo acertou no Vale a Pena Ver de Novo?

Publicado há 9 meses
Por Fábio Costa
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Neste sábado, 14 de setembro, a Globo divulgou em suas redes sociais, bem como no Gshow. Uma reprise de Avenida Brasil, novela de João Emanuel Carneiro exibida originalmente em 2012, será o cartaz substituto de Por Amor (1997/98) no Vale a Pena Ver de Novo, a partir de outubro. Isso após alguns dias de veículos dando como certa a reprise de Eta Mundo Bom! (2016), de Walcyr Carrasco, autor do atual cartaz das 21h, A Dona do Pedaço. Mudança de última hora? Ou a história de Candinho (Sérgio Guizé) foi usada para despistar a atenção para a real escolhida há tempos? Seja como for, Nina, Carminha, Tufão, Mãe Lucinda e outros estarão de volta em breve.

Volta da novela integra estratégia maior para a tarde global

Entre setembro e outubro, a Globo está promovendo algumas mudanças significativas em sua grade de programação. Desde trocas no comando de produtos do Jornalismo até a estreia de um novo vespertino de variedades, o Se Joga, prevista para dia 30. A emissora terá nas próximas semanas a implantação de novos produtos que precisam dar certo. De forma que a escolha da substituta de Por Amor configura ponto importante nesse momento. A história de Manoel Carlos entrou para o rol das maiores audiências entre as reprises nos últimos 10 anos. Além disso, não raro seus índices chegaram à marca de produtos inéditos, como Malhação – Toda Forma de Amar. Ou seja, uma bela porta de entrada para a grade noturna da casa, facilitando um desempenho melhor para os produtos que a sucedem.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Alguns anos atrás, provavelmente uma reprise de Avenida Brasil no Vale a Pena Ver de Novo já teria ocorrido

Avenida Brasil foi um grande sucesso e repercussão, sem dúvida. Nos anos 2010, apenas sua antecessora às 21h, Fina Estampa (2011/12), de Aguinaldo Silva, ostenta melhores números de média geral. Todavia, não seria exagero afirmar que Avenida Brasil é o maior sucesso da década. Somente A Força do Querer (2017), de Glória Perez, é sua “rival” nessa marca. Em circunstâncias normais o Vale a Pena Ver de Novo talvez já a tivesse apresentado. Se vivêssemos nos anos 2000, por exemplo. Alguns dos leitores seguramente se recordam de que até 2010, por aí, a faixa de repetecos vespertinos da Globo frequentemente trazia as novelas de volta à razão de três ou quatro anos da exibição original. Não como regra inabalável, claro; tanto houve prazos maiores quanto menores do que isso.

Hábito de novelas mais “velhas” atrapalha a escolha em certa
medida

Dificuldades com a classificação indicativa, entre outros fatores, fizeram com que no Vale a Pena Ver de Novo se investisse em produções mais antigas. Não raro, produções já reprisadas pela sessão em ocasiões anteriores. E isso, aliado a uma flexibilização recente dos limites do horário livre, fez com que novelas como Celebridade (2003/04) e Belíssima (2005/06), só para ilustrar, fossem enfim reprisadas mais de 10 anos após irem ao ar à noite. De maneira que há toda uma parcela de público que desenvolveu o hábito de acompanhar novelas mais antigas nos últimos 10 anos, digamos.

Reprise de Avenida Brasil fica no meio-termo entre a tendência recente e seu inverso

O Canal Viva, que entrou no ar em 2010, e essa tônica do Vale a Pena Ver de Novo, fizeram com que nesse ínterim uma geração se acostumasse a não esperar para tão logo o retorno das novelas conforme terminassem suas apresentações originais. Nos últimos anos, como você pode recordar aqui, de 17 novelas reprisadas pela Globo apenas duas tinham menos de cinco anos. A saber, Caras & Bocas (2009) e Cheias de Charme (2012), reprisadas em 2014 e 2016, respectivamente.

Cida (Isabelle Drummond), Rosário (Leandra Leal) e Penha (Taís Araújo) de Cheias de Charme (Divulgação/TV Globo)

Pequenas reprises em pouco tempo não devem ser ignoradas como fator de desgaste

Com isso, sem dúvida uma reprise de Avenida Brasil se mostra uma opção mais válida para ser reprisada hoje do que Eta Mundo Bom!, anunciada antes. Embora tenha “apenas” sete anos, a novela de João Emanuel Carneiro é saudada por muitos fãs inveterados, que comemoraram a notícia da volta. Embora a trama tenha sido bastante explorada pela Globo desde que saiu do ar.

Foi cartaz do “Novelão”, quadro do Vídeo Show que exibia resumos de novelas, em três ocasiões. Numa delas, os capítulos chegavam a um terço do tempo do programa (em 2017, quando sua rememoração durou 11 semanas). A primeira ocorreu em maio de 2013. Ao passo que a segunda foi promovida em 2016, esta no site do Vídeo Show. Além disso, a versão integral, ou seja, sem cortes, está disponível para os assinantes do GloboPlay. Por enquanto, já que é praxe substituir no streaming a íntegra pela versão do Vale a Pena Ver de Novo.

Com Avenida Brasil à tarde, a Globo mostra que não está brincando em serviço

Embora Avenida Brasil seja um marco recente da teledramaturgia brasileira, nunca é demais lembrar – sem querer agourar – que sucessos campeões de pedidos já fizeram feio em reprises. Foi o caso, por exemplo, de Terra Nostra (1999/2000), quando voltou à tarde em 2004. A novela de Benedito Ruy Barbosa chegou a ter nove de seus capítulos condensados em um. Mesmo a histórica Roque Santeiro (1985/86) não foi nenhum boom ao retornar em 2000/01. Dois exemplos entre muitos que atestam a impossibilidade de fazer uma “previsão” quando o assunto é o Vale a Pena Ver de Novo.

Porcina (Regina Duarte) e Sinhozinho Malta (Lima Duarte) em Roque Santeiro (Divulgação)

Escolher uma novela tão emblemática para o desafio de manter a audiência acima da média no Vale a Pena Ver de Novo demonstra que a Globo não está para brincadeira. Bem como demonstra que potenciais títulos mais antigos “possíveis” devem ser destinados ao Viva por ora. Provavelmente o sucesso da faixa terá continuidade. Todavia, caso dê zebra e Avenida Brasil não vá bem por qualquer motivo, a que título se recorrerá depois? Apesar de todo o prognóstico positivo, a volta de Carminha e Nina envolve um grau de risco. Como tudo na televisão e na tarde da TV aberta.

*As informações e opiniões expressas nessa crítica são de total
responsabilidade de seu autor e podem ou não refletir a opinião deste veículo.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais