Fantástico 2500 terá Dráuzio Varella e nova série de mágicos

Médico vai explicar como o Déficit de Atenção afeta crianças e adultos

Publicado em 13/09/2021 16:39
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

No ar desde 5 de agosto de 1973, o Fantástico chegará a expressiva marca de 2500 edições no próximo domingo, 19 de setembro. Além de uma nova abertura, o programa terá um de seus curingas, o médico Drauzio Varella, a frente de uma nova série.

O tema do novo projeto é o Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH), que mexe com a saúde e a vida de milhões de brasileiros. Em três episódios, a série explica do que se trata, os sintomas mais comuns, como cuidar e tratar, os efeitos na escola e na rotina das crianças e que o transtorno também afeta adultos.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Outra estreia da noite é o quadro “Ilusões de Risco”, com Henry Vargas e Klauss Durães, maiores ilusionistas modernos da América Latina, que quebraram o recorde mundial de levitação em plena Avenida Paulista.

Em quatro episódios, eles enfrentam o desafio de recriar as ilusões mais famosas e perigosas do mundo usando os quatro elementos, fogo, água, terra e ar, um por semana. Henry e Klauss usam alta tecnologia, hologramas, realidade aumentada e uma linguagem moderna para fazer um ilusionismo inovador, moderno e impactante.

A história do Fantástico

Misturando jornalismo e variedades em um mesmo programa, o Fantástico nasceu com a pretensão de ser diferente de tudo o que existia na televisão brasileira naquela época. Ao projeto Memória Globo, José Bonifácio de Oliveira Sobrinho, o Boni, explicou o conceito da atração.

“O Fantástico nasceu num momento em que considerei dar mais um salto na qualidade da TV Globo. Imagine um programa magazine, tipo mosaico, com jornalismo, com entretenimento, humor, dramaturgia, reportagens internacionais. É o primeiro magazine do mundo”, gaba-se.

Apresentada por Sérgio Chapelin, a edição de estreia trouxe homenagens a estrelas que haviam falecido em um dia 05 de agosto: Marília Pêra cantou Carmem Miranda, enquanto Sandra Bréa reproduziu um número que havia sido feito pot Marylin Monroe.

Ao longo das décadas, o programa também cedeu espaço às grandes coberturas jornalísticas, como por exemplo, as mortes de Ayrton Senna, em 1º de maio de 1994 e dos Mamonas Assassinas, em 2 de março de 1996. Outra marca registrada são as aberturas. Para quem tem mais de 30 anos, a imagem de Isadora Ribeiro saindo da água é inesquecível…

Gostou deste texto? Siga-me no Twitter

Leia outros textos de autoria de Piero Vergílio

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Em Alta

Carregando...

Erro ao carregar conteúdo.

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio