Vice em São Paulo, Copa América no SBT bate Globo em “currais” de Bolsonaro

Rede de Silvio Santos lidera audiência nas cidades-sedes do torneio, que termina neste sábado (10)

Publicado em 10/7/2021
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A Copa América mais controversa dos últimos anos termina neste sábado (10) com festa no SBT, detentora exclusiva dos direitos de transmissão para TV aberta. Com ótima audiência, a rede de Silvio Santos reservou quatro horas da programação em horário nobre para a cobertura da final entre Brasil e Argentina, no Maracanã (RJ), e espera conseguir uma façanha inédita desde o início do torneio: bater a Globo em São Paulo. Por enquanto, a emissora liderou em seis capitais, incluindo cidades-sedes da competição anunciadas pelo presidente Jair Bolsonaro.

Na Grande São Paulo, região mais valorizada pelo mercado publicitário, somente a semifinal entre Argentina e Colômbia, decidida nos pênaltis, liderou a audiência (durante 21 minutos contra No Limite). Na média, porém, fechou em segundo lugar (17,7 x 11,1). Cada ponto equivale a 76.577 domicílios ou 205.377 telespectadores na Região Metropolitana da capital paulista.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Para o SBT, a decisão da Copa América tem potencial maior do que a final da Libertadores 2020, entre Palmeiras e Santos, exibida com exclusividade pela emissora em 30 de janeiro deste ano. Na ocasião, o jogo registrou na Grande São Paulo 25,3 pontos de média, 43% de share (participação nos televisores ligados) e 32,1 pontos de pico. A Globo, que tinha apelado ao Big Fone durante flashes do BBB 21, marcou apenas 11,1 pontos.

A disputa contra a Globo é menos desigual em outras cidades, de acordo com dados do Kantar Ibope obtidos com exclusividade pela coluna. Das sete partidas da seleção brasileira exibidas pelo SBT, quatro atingiram a liderança em pelo menos uma capital (contra Venezuela, Colômbia, Equador e Chile). Entre as praças, estão duas sedes do campeonato: Goiânia e Brasília.

A capital de Goiás, apurou a coluna, é onde a rede de Silvio Santos impôs mais derrotas à Globo. Quatro partidas da seleção, incluindo toda a fase de grupos e as quartas de final, entre Brasil e Chile, ficaram em primeiro lugar no ranking de audiências. O jogo contra o Equador, único do time de Tite na cidade, “goleou” a Super Dança dos Famosos: 17,4 x 10,1 (cada ponto equivale a 8.987 domicílios ou 24.317 telespectadores na Grande Goiânia).

Mesmo sem Neymar, o empate contra a seleção equatoriana também rendeu ao SBT seu melhor desempenho na Copa América, obtendo a liderança em outras cinco regiões metropolitanas: Fortaleza, Recife, Salvador, Manaus e Distrito Federal, outra sede do torneio continental.

Em Brasília, a Globo registrou sua pior audiência no confronto com o jogo entre Brasil e Equador: 14,8 x 8,1 (cada ponto no Distrito Federal equivale a 9.634 domicílios ou 27.337 telespectadores). A capital federal também rendeu o primeiro lugar ao SBT na estreia da competição, contra a Venezuela, realizada na cidade. Naquele domingo, Jair Bolsonaro divulgou a transmissão do SBT em suas redes sociais.

Jair Bolsonaro divulga Copa América no SBT (Reprodução/Twitter)

O presidente e seus apoiadores têm usado a Copa América para medir forças frente à Globo, considerada “inimiga” pelo governo federal. A duas semanas do início da competição, o presidente socorreu a Conmebol (Confederação Sul-Americana de Futebol) e ofereceu o Brasil como país-sede após recusas de Colômbia e Argentina, respectivamente, por protestos políticos e pelo avanço do coronavírus.

Após a confirmação, governadores como João Doria (São Paulo) rejeitaram receber jogos do campeonato. Bolsonaro anunciou as cidades-sedes de estados comandados por apoiadores do presidente: Brasília, Goiânia, Rio de Janeiro e Cuiabá (as duas últimas sob protestos dos respectivos prefeitos, prefeitos Eduardo Paes e Emanuel Pinheiro).

Segundo país no mundo com mais mortes por Covid-19, o Brasil registrou 44.287 óbitos de 13 de junho, data de estreia da Copa América, a 9 de julho. O número supera a capacidade de dois dos cinco estádios da competição (a Arena Pantanal, em Cuiabá, e o estádio Olímpico de Goiânia), e quase lota o estádio Nilton Santos, no Rio de Janeiro, onde a seleção brasileira disputou quatro partidas e criticou a qualidade do gramado.

Até 26 de junho, o Ministério da Saúde havia registrado 190 casos de coronavírus na Copa América, incluindo 10 jogadores, 46 membros das delegações, 131 prestadores de serviços terceirizados e três funcionários da Conmebol. Apesar do surto de Covid, a Prefeitura do Rio de Janeiro autorizou 10% de público na final da competição.

Médicos, cientistas, jornalistas, políticos e parte do público repudiaram a realização da Copa América no Brasil, pelas péssimas condições sanitárias em função da pandemia. Eleitores de Bolsonaro, inflamados pela narrativa do presidente, e profissionais do SBT tentaram desqualificar a oposição reduzindo as críticas a mera “hipocrisia”, pelo torneio não poder ser exibido pela Globo.

Siga o colunista no Twitter e no Instagram.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Em Alta

Carregando...

Erro ao carregar conteúdo.

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio