Vereadora repudia beijo entre Gil e Fiuk, mas nega ser homofóbica: “Fui madrinha de parada LGBT”

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Em meio à pandemia de coronavírus, que infectou 367 mil pessoas e provocou mais de 12 mil mortes no Amazonas, a Câmara Municipal de Manaus encontrou tempo para falar sobre o BBB 21. Nesta segunda-feira (26), a vereadora Glória Carratte (PL) usou seu espaço conquistado pelo voto popular para repudiar o beijo entre Gilberto e Fiuk no reality show da Globo. Mais tarde, em sua rede social, negou ser homofóbica por já ter sido “madrinha da marcha LGBT”.

“Em primeiro lugar, gostaria de deixar meu repúdio sobre o ocorrido ontem na TV Globo. Eu sei que a TV Globo está se lixando para o Amazonas e para a Câmara Municipal de Manaus, mas não poderia deixar registrado aqui. Eu não assisto ao Big Brother, mas nas redes sociais de hoje aparece os dois artistas, que se dizem artistas da Globo, pelados, dando bitoquinha, se beijando, e é uma falta de respeito com a sociedade, com as famílias do nosso Brasil”, criticou Carrate.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Em seguida, Carratte chamou o beijo de “vergonha” e declarou se preocupar com o “bom comportamento” e pela “criação dos filhos”, como se o ato de Gilberto e Fiuk fosse ruim. “Não tem uma criança que não veja isso”, disse ela, enfurecida. A coluna questiona a vereadora: se viram, qual é o problema? O que há de errado?

Tiago Leifert comparou a vereadora ao Instagram, que removeu de seus stories a imagem do selinho entre os dois brothers. Procurado pela coluna, a rede social afirmou, por meio de sua assessoria de imprensa: “Cometemos um erro e pedimos desculpas. Os conteúdos foram restaurados”.

O discurso de Glória Carratte viralizou nas redes sociais, e a vereadora bloqueou os comentários de seu Instagram para não receber críticas.Horas depois, em seu perfil na rede social, ela tentou esclarecer a crítica e negou ser preconceituosa citando ter sido madrinha de uma marcha LGBT em Manaus. De fato, a vereadora participou da sétima Parada Gay da capital amazonense, em 2007, porém a presença dela e de outros políticos foi chamada de “apropriação eleitoreira”, por não ter proximidade com esta causa social.

Leia o comunicado na íntegra:

A Vereadora Glória Carratte esclarece alguns pontos em relação ao discurso proferido hoje, na Câmara Municipal de Manaus, acerca dos fatos ocorridos no programa da Rede Globo, Big Brother Brasil.

O repúdio feito pela parlamentar foi referente aos dois participantes terem ficado nus, e, de conseguinte, beijarem-se. O beijo entre duas pessoas nuas, num programa de tal magnitude, não se pode permitir. Seja entre homem e mulher, dois homens ou entre duas mulheres.

A vereadora não fez juízo de valor quanto à inclinação sexual dos participantes. Até porque, ainda que ambos sejam homossexuais ou não, Glória não possui discriminação. Inclusive, no passado, já até foi madrinha da marcha LGBT, em Manaus.

Desse modo, quaisquer fatos distorcidos divulgados em perfis de redes sociais, sites ou blogs, não são de responsabilidade da vereadora.”

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio