Repórter da Record perde seguidores ao protestar contra lei homofóbica: “Não posso me calar”

Tom Bueno comenta reação negativa do público nas redes sociais

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

O PL 504, que será votado na Alesp (Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo), gerou forte repercussão negativa entre cidadãos comuns, celebridades e marcas por seu teor homofóbico. Em um dos protestos contrários ao projeto de lei, o jornalista Tom Bueno, da Record, publicou uma foto com as cores do arco-íris em seu rosto, porém perdeu seguidores após a manifestação.

O projeto de lei, de autoria da deputada estadual Marta Costa (PSD-SP), proíbe a veiculação de propagandas no estado com a presença de LGBTs, contrariando a própria Constituição brasileira, que veda qualquer forma de discriminação.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Repórter do Balanço Geral, Tom Bueno ironizou no Instagram o unfollow de fãs toda vez que se posiciona a favor da causa LGBT: “Que bom que vazaram”. Procurado pela coluna, o jornalista revela ter perdido 300 seguidores assim que publicou a foto de protesto, na última sexta-feira (23), e diz que não se calará diante de “absurdos”, como a perseguição à comunidade gay.

“Se eu tivesse 20 anos, lá no início da minha carreira, eu acho que isso iria me desencorajar, mas eu vivia em outra época, sem essa força das rede sociais. Hoje não me desencoraja mais. Quando me posiciono é porque tenho certeza da causa em que acredito e defendo”, afirma o jornalista de 37 anos.

O repórter acredita que sua opinião como pessoa pública pode influenciar outros seguidores a refletirem sobre homofobia e outros temas importantes da sociedade.

“Como jornalista e comunicador, hoje em dia, não posso me calar diante de alguns absurdos, ainda mais quando alguns assuntos que ameaçam a vida de milhões de pessoas acabam estando em jogo. É o momento que eu tenho de mostrar qual é a minha posição e não ficar em cima do muro. Acredito que eu falando encorajo outras pessoas que me acompanham a também se posicionarem. Acho que é uma união de forças, um vai apoiando o outro”, analisa.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio