Mais do que você gosta.
Assine o Star+
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Domingo Espetacular

Record chama “especialistas” evangélicos para “demonizar” anime que nunca viu

Emissora usa jornalismo para sustentar narrativa distorcida da Igreja Universal sobre Death Note

Publicado em 18/10/2021
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio

Anime, em geral, nunca foi bem interpretado pela “família tradicional”. Vistos como “desenhos”, são associados a produtos para crianças e, por isso, viram alvo da censura de supostos “defensores” da moral e dos bons costumes (mas que aplaudiam as câmeras do Domingo Legal quase introduzidas na genitália das convidadas). Até hoje é lembrada na internet a edição do Boa Noite Brasil, da Band, em que Gilberto Barros acusou Yu-Gi-Oh! de ser demoníaco segurando uma carta do Rei Caveira.

O alvo favorito dos últimos anos é Death Note. Desde seu lançamento como mangá, em 2003, famílias desagregadas “culpam” a produção japonesa por mortes de crianças e adolescentes. Nunca foi comprovada a influência do anime nos casos, porém já serviu como argumento para os pretensos “protetores” da família esbravejarem contra a história, já “demonizada” por essas mesmas pessoas por causa do título.

Continua depois da publicidade
Não foi possível carregar anúncio

“Demonizar” é a definição ideal para a perseguição a Death Note, já que no Brasil boa parte das falsas interpretações e narrativas distorcidas vêm de evangélicos. No último domingo (17), o Domingo Espetacular, da Record, emissora ligada à Igreja Universal do Reino de Deus, “denunciou” os riscos de Death Note às crianças. O argumento básico: “Como deixar seus filhos assistirem a um desenho que se chama ‘Caderno da Morte’?

“Não há fundamento nessa perseguição. Death Note não é necessariamente mais violento do que outros animes, nem mesmo do que outras obras de ficção no geral. Existem cenas pesadas na obra, mas para isso deve ser respeitada a classificação indicativa. O que acontece é que muitos pais julgam que qualquer desenho animado é feito para crianças pequenas, o que não é o caso – existem animações feitas para todas as idades, então os responsáveis devem prestar atenção no conteúdo antes de permitir que os filhos tenham acesso”, pontua a jornalista e youtuber Miriam Castro, especializada em cultura pop, em entrevista à coluna.

“Porém, isso não deve ser feito na base do preconceito e sensacionalismo, como foi sugerido na matéria, que apenas gera um pânico em relação a obras japonesas. Death Note não tem mais violência do que é mostrado às crianças na programação da tarde em certos canais da TV aberta, e ainda propõe uma visão crítica à máxima do ‘bandido bom é bandido morto’, que tantos programas policiais promovem”, analisa a influenciadora digital.

Diferentemente de Death Note, a Record já foi considerada culpada e condenada (aqui e aqui, por exemplo) por tentar fazer justiça com as próprias mãos. Assista abaixo:

Igreja Universal usa Record para “demonizar” anime

Durante quase 12 minutos, o Domingo Espetacular rasgou a primeira aula de jornalismo da faculdade: estudar a pauta (o tema da reportagem). O programa simplesmente não sabia do que se tratava Death Note e forçou o “risco à sociedade” distorcendo a premissa do anime (se você escrever o nome de uma pessoa no “caderno da morte”, ela morre).

Entretanto, ao analisar friamente o material exibido pela Record, foi possível perceber que não se tratava de um material jornalístico. Na verdade, a emissora usou a integridade e a importância do jornalismo para legitimar argumentos rasos sobre um anime ao qual eles nunca assistiram. Basta se atentar aos “especialistas” chamados pelo Domingo Espetacular para “demonizar” Death Note, como a coluna fará abaixo. Em resumo: trata-se de uma “reportagem” da Igreja Universal do Reino de Deus contra a animação japonesa.

O primeiro entrevistado, Thiago Cortês, é apresentado como “sociólogo”, mas atua como bolsonarista e membro da Escola Sem Partido, movimento que tenta censurar professores não conservadores sob o argumento de que eles são “comunistas”. Já foi acusado de ser “funcionário fantasma” do deputado estadual Gil Diniz (PSL-SP).

Após exibir uma fala de pais cristãos (porque o nome “Jesus” aparece no quarto das filhas), a reportagem conversou com outros dois “especialistas”, integrantes da Igreja Universal do Reino Deus: Pastor Walter Barboza e a mulher, Patrícia Barboza, coordenadores do grupo Força Teen Universal, projeto que tenta evangelizar adolescentes sob o pretexto de “educá-los para a sociedade”.

Segundo o Domingo Espetacular, a Igreja Universal recebeu a “denúncia” de uma mãe que leu o próprio nome no “death note” da filha. Ao invés de conversar para entender se poderia estar fazendo algum mal à adolescente (que tem os pais separados), a mulher procurou a igreja. A reportagem ainda aproveita para fazer propaganda do Força Teen Universal, exaltando seu “nobre” propósito.

A entrevistada seguinte, Bruna Pinelli, aparece como “advogada”. Coincidentemente ou não, é evangélica, frequentadora assídua do Templo de Salomão e integrante do Movimento Sócio Abrigo Brasil, pertencente à Igreja Universal. Quem também valida a “demonização” de Death Note é Cassiana Tardivo, psicóloga que defende o cristianismo na educação familiar.

O deputado federal Altair Moraes (Republicanos-SP) (Reprodução/Record TV)

A “cereja do bolo” é a participação de um controverso deputado estadual que assina um Projeto de Lei que “estabelece medidas de proteção a menores de idade na aquisição de livros e artigos literários no Estado”. Na prática, é contra Death Note. O parlamentar em questão é o pastor Altair Moraes, do Republicanos (partido fundado pelo núcleo da Igreja Universal). Um detalhe que chama a atenção é que o documento, disponível no site da Alesp (Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo) é de 14 de outubro, apenas três dias antes da exibição da reportagem. O tema, portanto, nem estava em discussão quando ganhou 11 minutos na programação da Record.

Preste atenção à justificativa do deputado para censurar Death Note: “O presente Projeto de Lei tem como objetivo proteger as crianças e os adolescentes de livros, cadernos, mídias ou quaisquer outros tipos de material que incitem à violência ou ainda ao suicídio. Livros impressos, livros digitais, audiolivros, nós temos hoje em dia uma gama de possibilidades de leitura e acesso ao conhecimento. E nesse sentido é que mora a grande preocupação dos pais: ‘Qual conteúdo meu filho (a) está consumindo?’, essa pergunta torna-se cada vez mais recorrentes nos lares paulistanos. A título de exemplo existe o ‘DEATH NOTE’, se trata de uma série que CULTUAM A MORTE. Nas livrarias é vendido o Caderno Death Note com ilustrações e regras que incitam a violência. Por isso, esse projeto de lei é de suma importância. Os pais precisam e devem filtrar o que seus filhos consomem, uma vez, que a incitação à violência é demasiadamente perigosa para a leitura de crianças e adolescentes.”

Em seu trabalho como parlamentar, Altair Moraes se mostra, no mínimo, incoerente. Quer um exemplo? Enquanto tornou “obrigatória a apresentação da carteira de vacinação no ato da matrícula escolar” (Projeto de lei 1018/2019, de 07/09/2019), quis proibir “a exigência de apresentação do cartão de vacinação contra a Covid-19 para acesso a locais públicos ou privados no Estado” (Projeto de lei 668/2021, de 02/10/2021).

Para finalizar, a coluna indaga o deputado, “orgulhosamente” conservador, bolsonarista e defensor da “família tradicional brasileira”: se Death Note “incita violência” de crianças e adolescentes, o que seria a imagem abaixo?

Jair Bolsonaro e Altair Moraes (à esquerda) e posando com uma criança armada (Momtagem/Reprodução/Instagram/Twitter)

Siga o colunista no Twitter e no Instagram.

Publicidade
Não foi possível carregar anúncio

Deixe o seu comentário

Em Alta

Carregando...

Erro ao carregar conteúdo.

Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Publicidade
Posting....