PT convida Gilberto e Arthur, do BBB 21, a entrarem para a política

Instrutor de crossfit incentivou economista a se candidatar, desde que pelo partido do ex-presidente Lula

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

O PT parece ter levado a sério o interesse de Arthur e Gilberto, do BBB 21, por política. Nesta sexta-feira (9), o partido convidou os dois participantes do reality show da Globo a se filiarem para, futuramente, disputarem alguma eleição.

Em seu perfil no Twitter, o Partido dos Trabalhadores respondeu a um vídeo em que Arthur incentiva Gilberto a entrar para a política.“Se você virar político, seu número vai ser o 13”, disse o crossfiteiro. Gilberto concordou: “No mínimo, né?“, e Arthur prometeu: “E eu vou votar em você“.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Empolgado com a militância dentro do reality, o PT compartilhou em sua rede social a página de filiação à sigla na internet e marcou os perfis dos dois participantes: “Estamos esperando, Gilberto e Arthur”. Eleitores do partido e telespectadores do BBB já se animaram com uma “Frente Ampla” envolvendo Gil do Vigor, Arthur Crossfiteiro e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para a eleição presidencial de 2022.

Política é um tabu dentro do programa da Globo, mas aos poucos os confinados têm se soltado e manifestado suas preferências partidárias. Gilberto já falou mal do atual governo quando gritou uma de suas frases mais marcantes no reality: “O Brasil tá lascado!”. Antes da formação do último paredão, o economista já tinha previsto um confronto com Rodolffo e disparou para João, aos risos: “No máximo, vai ser apertadinho com os bolsominions votando contra mim”.

Melhor amiga de Gil na competição, Sarah admitiu gostar do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Em outra conversa, Gil e Juliette defenderam a ex-presidente Dilma Rousseff (PT). “Eu falo isso e arco com o que estou falando. Eu achava bonito quando ela batia no peito e falava assim: ‘Podem me criticar’. Os jornalistas desciam a lenha e ela não arregava’”, disse o economista. “Para aguentar aquilo ali, no dia do impeachment eu tive pena”, emendou a advogada.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio