Paulo Verlings comemora “homem bom” em Gênesis após emendar quatro bandidos na Globo

Ator admite à coluna que aceitou interpretar Shareder depois de repetir criminosos

Publicado em 08/10/2021 13:50
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

No ar em Gênesis, Paulo Verlings aparece irreconhecível na Record em relação a seus trabalhos anteriores na Globo, e não apenas por ter perdido o cabelo cacheado e raspado a cabeça para interpretar Shareder. Na antiga casa, o ator emendou quatro bandidos nos últimos cinco anos, entre papéis fixos e participações. Por isso, ele comemora por finalmente poder interpretar um homem bom, amigo de José (Juliano Laham), protagonista da última fase da trama bíblica.

Em entrevista exclusiva à coluna, Verlings revela que a sequência de papéis repetidos na Globo o estimularam a trocar de emissora. O ator deu vida a um bandido atrapalhado em Rock Story (2016), um traficante em Malhação: Vidas Brasileiras (2018) e um sequestrador em Segundo Sol (2018). Quando recebeu o convite da Record, tinha acabado de fazer uma aparição relâmpago em Amor de Mãe (2019), também como um criminoso.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

“Não pensei duas vezes em topar o personagem, que me demandou muito trabalho e muita dedicação. Nós, atores, somos movidos a desafios. Na televisão e no audiovisual, as escolhas não ficam na nossa mão. Se são sucessivos traficantes ou bandidos, acontece, a gente tem que lidar com isso de maneira madura e tranquila. No panorama atual do país, temos que agradecer que a gente está trabalhando. São poucos atores que têm o privilégio de escolher personagens”, afirma o artista.

Quando anunciou em sua rede social a ida para a Record, ressaltou a personalidade de Shareder: “Um homem bom! Bom mesmo!”. Uma clara resposta aos anos vivendo criminosos na Globo. “Foi um dos fatores que me cativaram para aceitar esse personagem. É muito puro, é bom, está descobrindo a vida ao lado da mulher. Ele tem uma perspectiva da bondade, e isso se quebra um pouco durante a trama, ele fica um pouco duro é bacana de ver”, explica.

Na história bíblica, Shareder ascende socialmente ao lado de José. É ele que leva o amigo para o palácio e o apresenta ao faraó Sheshi (Fernando Pavão). O protagonista se torna governador do Egito, e seu escudeiro passa a trabalhar na cozinha do palácio. Depois, vira copeiro, e sua evolução é acompanhada de perto pelos espectadores: “Tem sido muito gratificante dar vida a esse personagem. As pessoas têm gostado, estão me escrevendo muito, a novela tem um público forte, tem sido bem bacana”.

Com as gravações concluídas, Verlings se dedica ao musical Gabriel Só Quer Ser Ele Mesmo, em cartaz até o fim de outubro no Rio de Janeiro após ter sido paralisada no início da pandemia de coronavírus. No teatro, o ator não precisará mais raspar a cabeça, rotina que lhe causou incômodo na Record.

“Estou há quase cinco meses raspando todos os dias. Meu couro cabeludo ficou muito sensível. Desde o começo sabia que iria raspar, mas o meu cabelo cresce muito rápido e gravava todos os dias. Não estava suportando mais”, admite.

Siga o colunista no Twitter e no Instagram.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Deixe o seu comentário

Em Alta

Carregando...

Erro ao carregar conteúdo.

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio