Maju diz que “o choro é livre” para negacionistas da pandemia e é atacada por filho de Bolsonaro

Políticos e influenciadores de extrema-direita deturpam vídeo de apresentadora do Jornal Hoje

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Maria Júlia Coutinho, mais uma vez, sofreu ataques de políticos e apoiadores de Jair Bolsonaro (sem partido), inclusive do filho do presidente, Eduardo Bolsonaro. A apresentadora, que já foi chamada de “mentirosa” pelo chefe do Executivo, provocou os negacionistas da pandemia (aquelas pessoas que chamam o coronavírus de “gripezinha”, inventam notícias falsas sobre vacinas e indicam remédios ineficazes para o tratamento da Covid-19) ao dizer no Jornal Hoje que “o choro é livre” para quem mente sobre a importância do distanciamento social no combate à doença.

“Por todo o país, os números da pandemia não param de subir, e as medidas restritivas de circulação estão se espalhando. Os especialistas são unânimes em dizer que essas são medidas indispensáveis agora para conter a circulação do vírus. O choro é livre, não dá para a gente reclamar, é isso o que tem”, declarou a jornalista antes de noticiar mais restrições anunciadas pelo governo de Minas Gerais.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A fala de Maju foi exibida na última terça-feira (16), porém apenas nesta quarta viralizou em perfis de bolsonaristas na rede social. Políticos e influenciadores de extrema-direita distorceram o sentido da frase e acusaram a apresentadora de dizer “o choro é livre” para brasileiros que perderam o emprego ou faliram empresas em função da pandemia, o que é mentira.

Outros perfis inventaram que Maria Júlia Coutinho recebe R$ 130 mil mensais da Globo e que ela estava trabalhando em pleno lockdown. Outra mentira, já que a cidade de São Paulo, onde fica o estúdio do Jornal Hoje, não adotou o lockdown (fechamento total) para controlar a circulação de pessoas.

Entre os políticos que compartilharam o vídeo e distorceram a fala de Maju, estão os deputados federais Carlos Jordy (PSL-RJ), Cabo Junio Amaral (PSL-MG) e Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), a deputada estadual Leticia Aguiar (PSL-SP), a vereadora Sonara Fernandes (Republicanos-SP). Também participaram do ataque à jornalista a ex-jogadora de vôlei Ana Paula Henkel e o youtuber bolsonarista Allan dos Santos, investigado pelo STF no inquérito das fake news e sobre atos antidemocráticos.

Maju tem sido alvo constante de apoiadores de Bolsonaro. Em agosto de 2020, o próprio presidente acusou a titular do Jornal Hoje de ter mentido na Globo ao noticiar que, durante o evento Brasil Vencendo a Covid-19, o presidente e nenhum integrante do governo não prestaram solidariedade às vítimas do novo coronavírus. “A Globo, como sempre, mentindo a meu respeito”, afirmou.

No dia seguinte, Maju esclareceu o comentário, mas manteve a informação que irritou Bolsonaro: “Ontem, o JH noticiou que, durante o evento Brasil Vencendo a Covid, nem o presidente Jair Bolsonaro nem nenhuma autoridade do governo prestou solidariedade às vítimas. Mas uma médica da Bahia, a doutora Raíssa Soares, que não faz parte do governo, pediu um minuto de silêncio, e o pedido foi respeitado por todos os presentes, inclusive pelo presidente. Fica aqui o esclarecimento”.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio