Paulo Lessa em A Lei do Amor e Cara e Coragem

Globo trata como “revelação” protagonista de Cara e Coragem chutado de novela das nove

Paulo PachecoJornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero, passou por redações de TV e dos principais portais de entretenimento do Brasil. Escreve sobre televisão para quem ama televisão.

Paulo Pacheco

O ator Paulo Lessa tem 40 anos e sete novelas no currículo, incluindo três produções das nove da Globo, a mais vista da TV brasileira. Nesta segunda-feira (30), ele voltou à emissora como um dos protagonistas de Cara e Coragem, nova trama das sete, interpretando Ítalo, par romântico de Clarice (Taís Araújo). Estranhamente, ele apareceu na abertura de sua oitava novela como “revelação”.

Na dramaturgia da Globo, iniciantes são creditados na abertura das produções como “apresentando”, termo que engloba atores e atrizes sem experiência alguma na profissão ou na TV. Vitória Bohn, de 19 anos, foi corretamente incluída nesta categoria porque nunca atuou em novela e tem apenas uma minissérie no currículo.

Situação completamente diferente de Paulo Lessa, que estreou na Globo com uma participação em A Favorita (2008), atualmente reprisada em Vale a Pena Ver de Novo, e após rápida passagem pela Record conseguiu seu primeiro papel fixo em novelas em Viver a Vida (2009).

Globo “apresenta” Paulo Lessa, ator com oito novelas no currículo incluindo Cara e Coragem

A terceira história das nove, A Lei do Amor (2016), lhe reservava ainda mais aparições. Na trama, ele iria se apaixonar por Aline (Arianne Botelho), uma jovem rebelde que se tornaria prostituta. O mecânico Marcão, porém, foi vítima de um “desmanche” que afetou outros personagens. A causa? Baixa audiência. A solução encontrada pela Globo foi mandar os autores Maria Adelaide Amaral e Vincent Villari cortarem personagens desnecessários.

Em janeiro de 2017, este colunista entrevistou Paulo Lessa e outros “sumidos” de A Lei do Amor. O ator não escondeu sua insatisfação por ter sido “chutado” da novela. Marcão saiu à procura de Aline, também cortada. Na vida real, ele rescindiu com a Globo e fechou com a Record, onde trabalhou em três produções: Belaventura (2017), Jesus (2018) e Gênesis (2020).

“É inevitável ficar um pouco decepcionado, porque você fica imaginando que é alguma coisa com você”, afirmou Paulo, que foi convencido pela direção da trama de que a saída “era necessária para a obra”. “Isso virou até brincadeira interna entre os amigos: ‘Vai procurar a Aline eternamente’, porque não teve continuidade, infelizmente”.

Cinco anos e cinco meses depois, Paulo Lessa reaparece na Globo como protagonista, resultado de uma nova política do canal que abre espaço a profissionais negros (como a diretora de Cara e Coragem, Mayara Aguiar). Mas, como se ainda tivesse de provar sua experiência e seu talento, volta como um ilustre desconhecido. Ou, nos créditos, “apresentando”.

Siga o colunista no Twitter e no Instagram.