Mais do que você gosta.
Assine o Star+
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Representatividade

Globo rompe com “padrão branco” e contrata repórteres negros em São Paulo

Emissora tira do interior paulista os jornalistas Willian Rafael e Gabriela Dias

Publicado em 03/03/2022
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio

Quem assiste aos telejornais locais da Globo em São Paulo já percebeu as mudanças no time de repórteres. A emissora ampliou a diversidade e rompeu com o inaceitável e racista “padrão branco” que incomodava muitos telespectadores e profissionais de imprensa. Demorou, mas agora é possível acompanhar reportagens assinadas por jornalistas negros e amarelos.

A mais recente contratação foi Willian Rafael, trazido da EPTV (afiliada da Globo no interior de São Paulo). Ele estreou em fevereiro e já vem se destacando em reportagens e transmissões ao vivo no Bom Dia SP e SP1, embora ainda esteja se ambientando à capital paulista.

Continua depois da publicidade
Não foi possível carregar anúncio

Willian, primeiro repórter negro da Globo em São Paulo nos últimos anos, se une a Gabriela Dias, que trabalhou como repórter e apresentadora da afiliada TV Tem até novembro de 2021. Além deles, a equipe de reportagem ainda tem Indianara Campos e Mariana Aldano, negras, e Rafael Ihara e Cristina Mayumi, de ascendência asiática.

A ampliação da diversidade na Globo em São Paulo começou no esporte, que trouxe mulheres e negros para o grupo de jornalistas. Luiz Teixeira, por exemplo, foi o primeiro repórter negro do Globo Esporte desde a saída de Abel Neto, em 2018.

Em novembro de 2021, a gaúcha Luiza Vaz dividiu a apresentação do Mistura Paulista com a repórter esportiva Denise Thomaz Bastos, negra e nascida na periferia de São Paulo.

Segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), 56% da população brasileira é preta ou parda. Portanto, o movimento antirracista por mais representatividade é legítimo e necessário. O que a Globo faz ainda é pouco, mas serve de exemplo para outros veículos de imprensa que insistem em enxergar “competência” somente em profissionais brancos.

Siga o colunista no Twitter e no Instagram.

Publicidade
Não foi possível carregar anúncio

Deixe o seu comentário

Em Alta

Carregando...

Erro ao carregar conteúdo.

Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Publicidade
Posting....