Dirigente do Corinthians relembra Vereda Tropical e diz que não contrataria protagonista: “Perna de pau”

Adilson Monteiro Alves fala sobre participação do time em novela relançada no Globoplay

Publicado em 23/09/2021 11:19
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Lançada há dez dias no Globoplay, Vereda Tropical (1984) é atualmente a produção nacional mais vista da plataforma de streaming da Globo. Enquanto fãs nostálgicos relembram a primeira trama de Carlos Lombardi, novos telespectadores descobrem somente agora que o protagonista, um jogador de futebol interpretado por Mário Gomes, terminou contratado pelo Corinthians, com direito a gol no estádio do Morumbi. A cena ainda está viva na memória do então vice-presidente do clube, Adilson Monteiro Alves, que aparece na novela.

Em entrevista exclusiva à coluna, o dirigente conta os bastidores da sua participação em Vereda Tropical ao lado dos atletas do Corinthians. Para o último capítulo, a Globo encenou um jogo em que Luca, personagem de Mário Gomes, marca um gol com passe de Casagrande, ídolo do clube e atual comentarista esportivo da emissora. No dia seguinte, aproveitou a partida contra o Vasco, na estreia do Campeonato Brasileiro de 1984, para registrar a chegada triunfal do atacante, de helicóptero, saudando a torcida.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A chegada de Luca coincidiu com a situação do time paulista dentro e fora dos gramados. Cofundador da Democracia Corinthiana, movimento interno que expandiu para a política, Adilson Monteiro Alves tornou o clube conhecido até no exterior pela participação nas Diretas Já, contra a ditadura militar. Com o fim do regime e o início da redemocratização, o dirigente se concentrou no futebol e trouxe jogadores renomados para o Alvinegro.

“Contribuímos bastante para a derrubada da ditadura e, quando começou 1985, decidi reforçar o time. Contratei Hugo de León e Serginho Chulapa, trouxe o Casagrande de volta. Era praticamente uma seleção, quase todos tinham defendido a camisa do seus respectivos países. Éramos o time mais poderoso do país naquele momento, e o Luca foi uma das contratações. Foi automático que fosse o Corinthians. Estávamos em evidência”, afirma o sociólogo.

Na trama, Luca destacou-se no fictício Cantareira, time da segunda divisão, e chegou a treinar no Santos e em outros clubes. Adilson Monteiro Alves precisou viajar ao Rio de Janeiro para gravar cenas da negociação do atleta.

No último capítulo, prestes a estrear pelo Corinthians, o protagonista fugiu com Silvana (Lucélia Santos) e o filho da amada, Zeca (Jonas Torres), foi perseguido pela polícia e sofreu um grave acidente de carro. No vestiário do Parque São Jorge (centro de treinamento do time paulista), o dirigente sentenciou: “Ou ele aparece voando aqui ou acabou o Corinthians para o Luca”. Milagrosamente, o atacante saiu ileso e chegou de helicóptero para sua primeira partida.

Em Vereda Tropical, Luca (Mário Gomes) faz gol pelo Corinthians em jogo encenado e “invade” partida de verdade para comemorar (Montagem/Reprodução/Globoplay)

“Fizeram um jogo simbólico, com todo o nosso time, e o Luca marcou um gol. Depois aconteceu o jogo de verdade, que foi no final da novela. Eles vieram para cá, filmaram nosso vestiário, ficou faltando só o jogo. Terminou com ele vindo de helicóptero. O último capítulo foi uma superprodução Lembro que fui entrevistado na entrada do túnel, falei algo como ‘foi tudo combinado, o Luca é nosso’. Conversava bastante com o Carlos Lombardi e o Silvio de Abreu [supervisor de texto]”, recorda Adilson Monteiro Alves, hoje com 74 anos e diretor do departamento de responsabilidade social do Corinthians.

A proximidade do Corinthians com a Globo também contribuiu para a participação do Alvinegro em Vereda Tropical. Na época, o vice-presidente de operações da emissora, Boni, participava do conselho deliberativo do clube. Osmar Santos, um dos principais narradores esportivos do grupo na TV e no rádio, subiu no palanque das Diretas Já com Adilson Monteiro Alves e jogadores como Wladimir, Casagrande e Sócrates (1954-2011).

O sociólogo lembra que todo o elenco corintiano topou atuar na novela global sem problemas: “Éramos muito participativos. Estávamos em todas. Tínhamos uma vida social, política e cultural muito ativa. Eles estavam acompanhando tudo, sabiam de tudo e foi automático, não precisamos decidir nada. Nos divertimos bastante”.

Adilson Monteiro Alves, dirigente do Corinthians, em cenas de Vereda Tropical (Montagem/Reprodução/Globoplay)

Faltou combinar com os atletas do Vasco e com o juiz da partida verdadeira, José de Assis Aragão. Quando Mário Gomes entrou no gramado após o gol de Serginho Chulapa para gravar a comemoração, o árbitro confundiu o ator com um invasor e o expulsou de campo. Além disso, o goleiro vascaíno, Roberto Costa, levou cartão amarelo ao reclamar da aparição do falso atacante do Corinthians.

Os quase 40 mil torcedores presentes no Morumbi ajudaram a Globo e gritaram por Luca ao final do jogo (em protesto irônico contra o time pelo empate por 2 a 2). Mesmo ovacionado pelos corintianos, o atacante teria chance no Timão? Adilson Monteiro Alves admite que o personagem era, no jargão futebolístico, “caneludo”.

“Você está de brincadeira, um p… perna de pau! Era um ótimo ator. Ele sabia chutar a bola, dava umas cabeçadas, deve ter jogado quando garoto, mas claro que não, era uma brincadeira”, avalia, aos risos.

Siga o colunista no Twitter e no Instagram.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Em Alta

Carregando...

Erro ao carregar conteúdo.

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio