Cinderela de Silvio Santos perde vídeo para SBT e desabafa: “Foi arrogante”

Emissora nega ter usado trecho publicado no YouTube por ex-"princesa" do Programa Silvio Santos

Publicado em 8/6/2021
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

O Programa Silvio Santos surpreendeu os telespectadores no último domingo (6), ao reprisar uma edição raríssima de Cinderela, clássico da década de 1980. O “conto de fadas”, entretanto, virou história de terror para a “princesa”, Ketlin Cristine Antonio. Atualmente com 38 anos, a publicitária havia compartilhado no YouTube sua participação no quadro, produzido em 1985. O vídeo foi derrubado pelo SBT que, segundo ela, extraiu o conteúdo diretamente de seu canal para levar ao ar na TV. A emissora nega.

A coluna procurou a “Cinderela” após ter acesso a seu desabafo no canal do Programa Silvio Santos (o comentário foi apagado). Em entrevista exclusiva, a publicitária não esconde sua decepção com o canal do qual é fã e conta como a reprise de sua ida ao SBT se transformou em pesadelo.

“Não consegui dormir essa noite. Foi um banho de água fria. Sou fã do SBT desde a minha avó, minha mãe, é um legado da família. Quando meu vídeo foi ao ar na TV, no domingo, choveram ligações para mim. Fiquei tão emocionada. Isso tem um valor duplicado porque minha mãe já é falecida. Ela aparece no vídeo. Se eu tenho esta fita, se o SBT tem esta imagem, é porque minha mãe deixou gravando enquanto eu estava no programa. Ela nem tinha videocassete e pediu para minha tia. A fita está comigo hoje e vale mais do que ouro para mim. Estava no meu canal havia dez anos. É briga por views? Em questão de semanas eles conseguem superar. Não precisam me derrubar. Fiquei muito chateada”, lamenta Ketlin.

A tristeza da publicitária aumentou na manhã desta terça, quando recebeu o telefonema de um homem, apresentando-se como funcionário do SBT, assim que ela expôs no canal do Programa Silvio Santos sua insatisfação com a exclusão de seu vídeo. Em vez de tratar “Cinderela” com gentileza e respeito, insistiu que aquele material era propriedade da emissora e, por isso, ela não tinha direito algum sobre o vídeo gravado por sua mãe.

“Quando ele se apresentou como sendo do SBT, por um momento eu me enchi de alegria. Só que ele não pediu desculpas, não foi sensível e foi até um pouco arrogante. Repetiu várias vezes que o conteúdo era do SBT, ‘mas tudo bem, vamos abrir uma exceção para você’”, relembra ela. O vídeo retornou ao canal de Ketlin na tarde desta terça. Desde a publicação em seu canal pessoal, em maio de 2011, acumula quase 50 mil acessos.

“Eu esperava que alguém do SBT me ligasse, pedisse desculpas, falasse como um ser humano para outro ser humano. Eu iria oferecer a íntegra do programa, mas nem consegui falar. Uma conversa que poderia ser gostosa, entre uma fã e a emissora, ficou fria. Se o SBT quiser, eu me comprometo a mandar e cooperar mais uma vez com eles, porque a minha intenção é que o SBT cresça cada vez mais e seja a número 1 do país, porque é uma TV do povo. O povo ama o SBT, é passado de geração em geração. Entendo que a pessoa que me ligou, apesar de representar o canal, não fala pelo Silvio nem pela empresa. Gostaria que tivesse sido mais leve, não sobre direitos”, afirma.

Ketlin Cristine Antonio no SBT, em 1985, e atualmente (Reprodução/Arquivo pessoal)

Ketlin tem certeza de que o trecho exibido pelo SBT foi extraído de seu perfil no YouTube. Embora a emissora negue ter copiado o conteúdo do acervo da “Cinderela”, a péssima qualidade da imagem e os defeitos da fita VHS são idênticos nos dois vídeos. Ela inclusive reconheceu a edição feita por seu marido, Alexandre Rocco, sem as outras duas participantes do quadro (assista abaixo e compare).

“Há dez anos, logo quando postei no meu canal, começou a dar muita repercussão, mas minha intenção nunca foi viralizar, e o SBT me procurou. Na época, o canal estava comemorando 30 anos e um funcionário pediu uma cópia para eles terem no acervo, porque não tinham mais. Falei que tudo bem, mas depois nunca mais me ligaram. O SBT nunca reclamou que o vídeo estava no meu canal. Eu achava que estava beneficiando o SBT, porque era grande a quantidade de comentários de meninas que foram Cinderelas e não tinham o vídeo, pessoas que nem lembravam que o programa existia”, diz Ketlin.

No quadro, uma nova versão do Boa Noite, Cinderela (apresentado por Silvio nos anos 70), três crianças disputam a “coroa” de princesa e ganha brinquedos e um “casamento” com um príncipe mirim. A gravação e as histórias contadas por sua mãe, Maria José Baticioto Antonio, são as únicas lembranças de Ketlin, que aos seis anos sofreu um atropelamento e perdeu toda a memória anterior ao acidente.

“Minha mãe foi atriz e falava que era para eu ter sido artista, porque adorava interpretar, dançar, e enviou a carta. Silvio simpatizou muito comigo, e minha mãe contou que eu o amava. Nos bastidores, eu chorava muito. Ela achou até que eu não conseguiria entrar no estúdio. Quando o Silvio passou, estiquei os braços chamando ele. Minha mãe entendeu que eu queria ver o Silvio. A produtora fez um sinal, ele me pegou no colo, brincou comigo e eu imediatamente parei de chorar. Graças ao Silvio, nos bastidores, consegui gravar o programa”, conta.

Procurado pela coluna, o SBT confirmou o contato do funcionário da emissora com Ketlin e reiterou que o conteúdo não foi extraído do canal pessoal da “Cinderela”:

“Ela já tinha postado o vídeo antes, mas o vídeo não é dela. O vídeo é do SBT, independente da data em que foi postado. A produção ligou para ela e explicou como funciona o ‘robô’ do YouTube, e que não foi um bloqueio manual nem proposital. Importante ressaltar que o quadro foi ‘ingestado’ a partir do nosso arquivo de fitas, e não do canal dela. Não foi extraído do canal de YouTube. Temos a estratégia de reprisar os clássicos do SBT aos domingos, portanto outros programas virão também. ‘Cinderela’ é fã do SBT e tem um canal pequeno. Nossa intenção não é prejudicar ninguém, tanto que já liberamos o vídeo.”

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio