Compre iPhone SE na Apple a partir de R$ 3.779,10 à vista ou em até 12 vezes. Frete grátis para todo o Brasil
Saiba mais
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Despedida

Fantástico homenageia Elza Soares, a sobrevivente que se tornou um símbolo de resistência

Fantástico deste domingo presta homenagens à cantora que morreu na última quinta-feira

Publicado em 21/01/2022
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio

Mulher preta, nascida em uma favela no Subúrbio do Rio de Janeiro, no início da década de 1930. Casada aos 12 anos, mãe aos 13 e viúva aos 15. Pobre a ponto de revirar o lixo atrás de comida.

Desde cedo Elza Soares foi uma sobrevivente. Em 91 anos ressurgiu inúmeras vezes. Superou a perda de quatro filhos, da mãe, em um acidente de carro no qual Garrincha, seu marido na época, dirigia o veículo. Recriminada de diversas formas pela sociedade. Inclusive em relação ao amor. Sempre encarou os problemas de frente. Uma resistente.

Continua depois da publicidade
Não foi possível carregar anúncio

Elza Soares morreu esta semana bem a seu jeito. Dentro de casa, na companhia de quem esteve ao seu lado nos últimos anos. Uma personalidade explosiva e intensa nos palcos, mas reservada fora deles. Talvez não tenha sido sempre assim. Mas foi uma das formas que encontrou de encarar os percalços.

A cantora do milênio, eleita pela BBC, saiu de cena como uma das maiores figuras que a música popular brasileira já apresentou ao mundo. No Fantástico deste domingo várias homenagens serão prestadas a quem conquistou a juventude nas últimas décadas de sua vida, com a coração e o talento para se reinventar quantas vezes fosse necessário. 

A repórter Tábata Poline ouviu artistas e amigos que viram de perto a luta de Elza ao longo desta caminhada de mais de nove décadas. Visitou lugares que fizeram parte da história e ajudaram a formar a forte personalidade da cantora, como o bairro de Padre Miguel, onde passou a sua infância no Rio de Janeiro. Elza Soares virou fonte de inspiração para jovens negras, como a cantora Agnes Nunes, uma das entrevistadas no material; de lutas femininas, da fé e da negritude.

Em 2020 foi homenageada pela Mocidade Independente de Padre Miguel, inspirando o samba-enredo da escola no Carnaval. O programa deste domingo também vai mostrar depoimentos inéditos da cantora que foram registrados para a série original Globoplay, ‘Elza & Mané – Amor por Linhas Tortas’, que será lançada nos próximos meses. O repórter Ernesto Paglia entrevistou a diretora Caroline Zilberman, que faz parte do Esporte da Globo e idealizou o projeto, e Rafael Pirrho, que assina o roteiro ao lado da própria Caroline.

Publicidade
Não foi possível carregar anúncio

Deixe o seu comentário

Em Alta

Carregando...

Erro ao carregar conteúdo.

Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Publicidade
Posting....