Mais do que você gosta.
Assine o Star+
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Entrevista

Roda Viva recebe Ruy Castro para falar do centenário da Semana de Arte Moderna

A década de 1920 é o tema de um lançamento recente do escritor, As Vozes da Metrópole

Publicado em 06/02/2022
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio

O polêmico, provocador e muito elogiado jornalista e escritor Ruy Castro é o convidado do programa Roda Viva, da TV Cultura, no ar nesta segunda-feira (7). Entre outros assuntos, o autor de obras como O Anjo Pornográfico, Carmen e Chega de Saudade – A História e as Histórias da Bossa Nova, entre outras, vai discutir a Semana de Arte Moderna, que completa 100 anos em 2022.

Segundo Ruy Castro, a celebrada Semana não foi tão revolucionária como se acredita, e sua realização só ocorreu devido à ideia de um artista carioca, o pintor Di Cavalcanti.

Continua depois da publicidade
Não foi possível carregar anúncio

Ele sustenta ainda que a Semana foi um evento que só teve repercussão em São Paulo. E mais: Ruy Castro garante que o Rio dos anos 1920 era muito mais moderno que São Paulo, seja na arquitetura, na música, nas artes plásticas, nos costumes e também na literatura, como ele mostra no livro As Vozes da Metrópole, que acaba de lançar pela Companhia das Letras.

Em entrevistas e em suas colunas na Folha de S.Paulo, Ruy Castro tem defendido a opinião de que os integrantes do movimento não apenas se esqueceram rapidamente das críticas que faziam à Academia Brasileira de Letras, como buscaram um lugar entre os acadêmicos. Entre eles, Guilherme de Almeida, Menotti Del Picchia e Manuel Bandeira. Por sua vez, Oswald de Andrade, o crítico mais feroz da Academia, não demorou muito para inscrever seu livro A Estrela do Absinto, no prêmio da entidade.

Publicidade
Não foi possível carregar anúncio

Deixe o seu comentário

Em Alta

Carregando...

Erro ao carregar conteúdo.

Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Publicidade
Posting....