Mais do que você gosta.
Assine o Star+
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Talk show

“Alanis está fazendo maravilhosamente”, declara Cristiana Oliveira sobre Juma e o remake de Pantanal na Globo

Atriz interpretou a personagem na versão original da novela, em 1990

Publicado em 09/06/2022
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio

A edição desta quinta-feira (9) do talk show The Noite, com Danilo Gentili, no SBT, a partir de 0h45, recebe Cristiana Oliveira, que está lançando o livro Cristiana Oliveira – Versões de Uma Vida. A carreira da atriz ficou marcada pela interpretação de Juma Marruá na novela Pantanal, exibida em 1990 pela TV Manchete e que agora tem uma nova versão no ar, pela TV Globo. Hoje o papel é de Alanis Guillen.

Sobre o remake de Pantanal, diz: “Assisto todo dia. Agora não porque estou trabalhando muito, estou em turnê para lançar meu livro, as palestras que tenho feito, então está complicado, mas sempre vejo”.

Continua depois da publicidade
Não foi possível carregar anúncio

A respeito da Juma interpretada por ela e a atual, declara: “Não se compara, não. Isso é sacanagem. Não tem comparação. Ela faz do jeitinho dela. Eu amo…. Esse negócio de estar chegando aos 60, essa minha história de amadurecimento, me fez perceber que determinadas coisas e sentimentos são bobos. Tenho uma segurança que, quando eu fiz, em 1990, causou a comoção que, naquela época, deveria causar. E peguei uma geração e depois peguei outra no SBT. As pessoas estão com a Juma na memória emotiva. Acho bobagem”. E finaliza: “Alanis está fazendo maravilhosamente – inclusive eu amo a Alanis Guillen -, ela faz do jeito dela e está lindo assim”. 

Cristiana Oliveira e Alanis Guillen interpretando Juma nas duas versões de Pantanal

Falando das inspirações que teve para compor a sua Juma, conta que dois fatores influenciaram no olhar icônico da personagem:

Sempre gostei muito da onça, sempre foi meu animal preferido, antes do Pantanal… Quis colocar um olhar desconfiado, de qualquer animal. E o olhar da minha filha, que tinha dois anos e sete meses na época. A inocência do olhar da minha filha para as coisas, para tudo, era do jeitinho que eu poderia colocar na Juma quando ela fosse para o Rio de Janeiro, ou quando fizesse uma coisa que nunca tivesse feito”.

Cristiana faz um comentário a respeito de seu próprio olhar: “Sou aparentemente estrábica. Não tenho estrabismo diagnosticado, porque tenho uma pele maior de um lado do que do outro, então dá a impressão que meu olho entra. É uma ilusão de ótica”. 

Sobre o assunto idade, Cristiana declara: Acho um privilégio mudar, porque você carrega as suas marcas, a sua história. Com certeza mudei bastante por dentro, graças a Deus”. Ela recorda as vilãs Alicinha, de O Clone (2001), e Araci, de Insensato Coração (2011), e comenta como foi o processo de composição. “Araci eu levava para casa, às vezes. Eu passava muito tempo com as presidiárias. Foi um ensinamento, como ser humano, um aprendizado”.

Publicidade
Não foi possível carregar anúncio

Deixe o seu comentário

Em Alta

Carregando...

Erro ao carregar conteúdo.

Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Publicidade
Posting....