Quarenta anos depois

Clássica e ousada, essa novela inesquecível de Gilberto Braga será reprisada pela primeira vez

Trama marcada por história bem amarrada e elenco impecável volta ao ar no Canal Viva

Publicado em 22/06/2024

Quarenta anos depois, uma novela inesquecível de Gilberto Braga ganha a sua primeira reprise. Clássica e ousada, Corpo a Corpo será reapresentada no Canal Viva a partir de 24 de junho. A trama, transmitida entre 1984 e 1985, entra no lugar de Direito de Amar, com exibição às 14h40 e 0h30.

Uma das tramas preferidas do autor, Corpo a Corpo contou uma história bem amarrada e marcada por disputa de poder, pontuada por um casal com desejos distintos. Eloá, vivida por Débora Duarte, sonha em crescer na vida profissional, ao contrário de seu marido, Osmar (Antonio Fagundes).

Para isso, ela faz uma espécie de pacto com o misterioso Raul [o Diabo] (Flávio Galvão), mas passa por uma série de conflitos, principalmente no casamento. Em paralelo, Raul também tem influência sobre Tereza (Glória Menezes), uma enfermeira que recebe a missão de matar o milionário Alfredo (Hugo Carvana).

A trama bem amarrada fez de Corpo a Corpo inesquecível, assim como o elenco de peso. Além dos citados, destaque também para Malu Mader, Lauro Corona, Joana Fomm, Stenio Garcia, Marcos Paulo, Zezé Motta, Andréa Beltrão, Lilia Cabral, entre outros.

Tereza (Glória Menezes) e Alfredo (Hugo Carvana) em Corpo a Corpo, novela de Gilberto Braga
Tereza (Glória Menezes) e Alfredo (Hugo Carvana) em Corpo a Corpo

Com uma história envolvente, Gilberto Braga “fez a novela que quis”, como ele mesmo disse. Para se ter ideia, o autor colocava a obra no mesmo patamar de qualidade de medalhões como Vale Tudo e Dancin’ Days. Por outro lado, ele dizia que Corpo a Corpo não foi tão lembrada quanto as outras porque não tinha uma protagonista conhecidíssima. “Débora Duarte fez brilhantemente, mas não era uma Sônia Braga. O público se liga muito em estrelas”, pontuou.

Sucesso de crítica e com uma boa audiência – 52 pontos de média, seis a mais que a antecessora, Partido Alto -, Corpo a Corpo ainda abordou um tema importante, o racismo, colocando Sônia (Zezé Motta), uma mulher negra, em destaque. O fato,tratado com maestria por Gilberto e sua equipe, gerou discussões e escancarou a hipocrisia da sociedade brasileira ao rejeitar a posição da personagem.