Ainda tem salvação!

Além do retorno de Clarice, 3 soluções para tirar Cara e Coragem do limbo

Novela das sete tem baixa repercussão e precisa mudar

Publicado em 29/08/2022

O retorno (nem tão incrível assim) de Clarice (Taís Araújo) ajudou a movimentar a novela Cara e Coragem. A protagonista está viva, mas em coma, mantida em um local afastado por sua secretária.

A revelação pegou muita gente de surpresa. Agora, fica a expectativa para saber como a empresária vai ressurgir – assim como o que realmente aconteceu na noite de sua “morte”.

Ao que parece, a autora Claudia Souto quer fazer uma espécie de “quem matou” diferente. Nesse caso, a vítima está viva, mas resta saber o responsável por tentar assassinar a moça.

A parte boa é que Clarice tinha diversos vínculos. Assim, vários personagens são suspeitos de atentarem contra a protagonista, desde Regina (Mel Lisboa) até mesmo Anita (Taís Araújo).

Clarice (Taís Araujo) não morreu em Cara e Coragem
Clarice (Taís Araujo) não morreu em Cara e Coragem

Mas como só um núcleo não sustenta uma novela inteira, há outras soluções para ajudar a tirar Cara e Coragem do limbo. Embora a trama marque uma audiência mediana, o que preocupa é a falta de repercussão. Por isso, é preciso mudar para deixar a produção mais interessante.

Vilões de verdade

Cara e Coragem precisa de um vilão de verdade, ou pelo menos um antagonista com melhores nuances. Leonardo (Ícaro Silva) até poderia cumprir esse requisito, mas o personagem ficou chato demais após a “morte” de Clarice.

Sendo assim, Regina desponta como uma ótima aposta. Após se casar com o empresário, ela pode realmente se revelar, fazendo da vida dele e de Martha (Claudia Di Moura) um inferno. Do mesmo modo, tentar acabar com Clarice após descobrir que ela está viva.

Por outro lado, Danilo (Ricardo Pereira) também é mau-caráter e tem potencial para movimentar a trama. O assessor também pode deixar a vilania escancarada ao tentar recuperar a famosa fórmula da siderúrgica.

Leonardo (Ícaro Silva) e Regina (Mel Lisboa)
Leonardo (Ícaro Silva) e Regina (Mel Lisboa)

Casal para torcer

Pat (Paolla Oliveira) e Moa (Marcelo Serrado) não tem química nenhuma, mas a autora errou ao não criar um conflito para o público torcer pelo casal.

Uma solução simples era apostar no clichê “gato e rato”. Eles poderiam começar a novela se odiando e brigando, para depois nascer um amor e a relação. O público adora isso.

Outro erro foi ter colocado Alfredo (Carmo Dalla Vecchia) como empecilho, sendo que o ex de Pat é um cara superlegal e com um perfil certinho.

Alfredo (Carmo Dalla Vecchia), Sossô (Alice Camargo), Pat (Paolla Oliveira) e Gui (Diogo Caruso) em Cara e Coragem
Alfredo (Carmo Dalla Vecchia), Sossô (Alice Camargo), Pat (Paolla Oliveira) e Gui (Diogo Caruso) em Cara e Coragem

Sendo assim, para dar uma movimentada nesse núcleo, só resta Andrea Pratini (Maria Eduarda de Carvalho). A atriz, interessada em Moa, é uma ótima antagonista para acabar com o romance do casal principal.

Além dela, a ex de Moa, Rebeca (Mariana Santos) também merece ter mais função na trama. Ela também pode ter mais nuances na história.

Caçada à fórmula

A famosa fórmula que custou a morte de Clarice gera interesse de diversos personagens. Por isso, seria interessante uma verdadeira caçada a esse documento tão importante.

Clarice e Danilo são apenas algumas pessoas que pretendem colocar as mãos na fórmula. Mas, com a informação de que vale muito dinheiro, outras figuras também podem tentar resgatá-la.

Essa movimentação é ótima para causar uma reviravolta na novela, principalmente na reta final. Vale destacar que Cara e Coragem tem fim previsto para janeiro de 2023. Ou seja, são longos meses para atrair o público e aumentar a repercussão.

Por fim, os demais núcleos merecem ter mais função, sobretudo Anita e Ítalo (Paulo Lessa). A novela não é um verdadeiro desastre, ao contrário, há várias maneiras de deixá-la mais instigante.

Lucas (Igor Fernandez) e Anita (Taís Araujo) de Cara e Coragem
Lucas (Igor Fernandez) e Anita (Taís Araujo) de Cara e Coragem

As informações e opiniões expressas nesta crítica são de total responsabilidade de seu autor e podem ou não refletir a opinião deste veículo.

Leia mais textos deste colunista.