Sorte de Griselda desta vez não contagiou o apostador

Na primeira exibição de Fina Estampa, houve recorde em apostas nas loterias da Caixa, mas este ano de pandemia registrou queda do faturamento

Publicado há um mês
Por Edianez Parente
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A sorte de Griselda em Fina Estampa te animou a fazer uma aposta na loteria? A novela em edição especial chegou nesta sexta-feira (18) ao final contabilizando mais uma vez grande sucesso para a Globo no horário, tal como na sua primeira exibição, em 2011/2012.

Mas, diferentemente da primeira exibição, quando houve recorde de movimento nas Loterias da Caixa, desta vez as apostas caíram nos primeiros meses de exibição da novela, assim como quase toda a atividade econômica do País neste período marcado pela pandemia. 

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A história da pobretona Pereirão/Griselda (Lília Cabral) que fica rica com um bilhete premiado, mas sofre com as maldades da vilã Tereza Cristina (Christiane Torloni), mais uma vez fez o brasileiro sonhar com a possibilidade de ficar milionário do dia pra noite, levando uma bolada de R$ 50 milhões com uma aposta premiada.

Quando Fina Estampa estreou na sua primeira exibição, em agosto de 2011, mesmo sem a trama fazer menção específica às loterias da Caixa, foi registrado ao final daquele ano o maior movimento até então de apostas da história das loterias da instituição: houve um faturamento recorde de quase R$ 10 bilhões no ano, superando em 10,5% o que tinha sido arrecadado em 2010.

Agora, nove anos depois, a reprise veio de forma não planejada, em virtude da pandemia. A novela, que entrou no ar em 23 de março, por conta da paralisação das gravações da titular do horário Amor de Mãe, teve um resultado de audiência surpreendente bom para uma reprise em horário nobre, sempre acima dos 30 pontos (cada ponto corresponde a cerca de 75 mil domicílios na Grande São Paulo, de acordo com o KantarIbope).

A Caixa divulgou recentemente seu balanço financeiro referente ao primeiro semestre de 2020. De janeiro a junho, as Loterias da Caixa arrecadaram R$ 7,4 bilhões, um volume 8,2% menor que o apurado no mesmo período do ano passado.

No primeiro trimestre, o ano tinha começado de forma positiva para as apostas: as Loterias da Caixa arrecadaram R$ 4,0 bilhões, 22,4% mais que o apurado no mesmo período de 2019.

Vale lembrar que a pandemia foi decretada em março, e a partir daí os negócios foram fortemente impactados, com fechamento de comércio, serviços, indústrias e perda de postos de trabalho, com adoção de medidas de distanciamento social em diversas cidades do País.

Consequentemente, as apostas nas Loterias da Caixa caíram, como quase toda a atividade econômica no País. Conforme o relatório, o próprio lucro da Caixa recuou no segundo trimestre em relação ao primeiro, com redução de 16,1%.

Os resultados das Loterias referentes ao terceiro trimestre do ano (julho, agosto e setembro), meses ainda com exibição da novela, devem ser divulgados nos próximos meses. Procurada pela coluna, a Caixa não respondeu aos questionamentos sobre os comparativos do volume das loterias neste ano.

O PIB (Produto Interno Bruto) nacional teve uma queda recorde de 9,7% no segundo trimestre, colocando o Brasil na chamada recessão técnica, quando há dois trimestres seguidos de encolhimento da atividade econômica.

Em termos gerais, a economia hoje está no mesmo patamar que estava em 2009, ou seja: o Brasil de hoje está mais pobre do que quando Griselda surgiu e ficou rica pela primeira vez — em 2011, o crescimento do PIB foi de 2,7%.

Nem todo o dinheiro arrecadado com as Loterias vai para a premiação. No primeiro semestre deste 2020, segundo o relatório da Caixa, cerca de R$ 2,8 bilhões das Loterias foram transferidos aos programas sociais do Governo Federal nas áreas de seguridade social, esporte, cultura, segurança pública, educação e saúde, correspondendo a um repasse de 37,3% do total arrecadado.

Primeira exibição

Quando terminou em 2012, Fina Estampa alcançou 47 pontos de  audiência na Grande São Paulo, segundo dados do Ibope, pico que já tinha atingido em dois capítulos ao longo da trama.

Na ocasião, o autor Aguinaldo Silva, muito criticado pela trama e que hoje já não é mais contratado da TV Globo, foi ao Twitter e escreveu: “Agora me digam: tem culpa eu se 50 milhões de brasileiros se apaixonam pelo meu trabalho e 3 me acham sexy, gostosão e lindo?… FOM FOM!”.

Ele continuou: “Agora vou decidir se escrevo ou não “Fina Estampa, o Retorno”… O Retorno começa quando uma mulher muito parecida com Tereza Cristina compra a mansão em frente à casa de Griselda e aí…”.

Tereza Cristina ( Chistiane Torloni ) e Griselda ( Lilia Cabral ) em cena de Fina Estampa. Foto: TV Globo/ Renato Rocha Miranda

No início de agosto deste ano, a reprise de Fina Estampa rendeu até um comercial estrelado por Lilia Cabral e Christiane Torloni, que foi ao ar durante o intervalo para anunciar um smartphone Galaxy S20, da Samsung. A ação foi criada pela agência de publicidade Leo Burnett Tailor Made.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais